Rápido & Rasteiro: Tudo como dantes


ESPERO QUE, DEPOIS DO PROBLEMA DE CONTATO com o melhor site de torcidas do Cruzeiro, o Guerreiros dos Gramados, retomamos nossa resenha. Por incrível que pareça, em nada mudou a tônica do comentário que fiz da goleada sobre o Estudiantes , que pelo visto deixou coleguinhas de nossa imprensa ressentidos, também no jogo de ontem o soprador-de-latinha-de-plantão não apitou o que devia.

Rápido & Rasteiro: Tudo como dantesMAIS UMA VEZ O CRUZEIRO JOGOU EM CAMPO como visitante, apesar de a partida ter ocorrido em minha querida terra natal, Sete Lagoas, que aprendi a amar muito antes de me conhecer como gente, pois minha mãe amava essa cidade e não escondia isso. Visitante sim, pois os sopradores-de-latinha, tanto na competição sul-americana quanto na competição regional, usam de todo o rigor com as jogadas do Cruzeiro e deixam as dos adversários correrem à larga.

SE O GUARANI —  NADA TEM A VER COM a ópera do Maestro Carlos Gomes, posto que é falsificado, pois procede do Paraguai e, como tal, já soa falso só de mencionar — veio para não ser goleado, jogando indecentemente na retranca, com as famigeradas e muricinianas “duas-linhas-de-quatro” na defesa, apostando no erro dos donos da casa para encetar os contra-ataques, foi literalmente enganado.

NÃO CONTAVA COM A MALDIÇÃO DA “Bestia Negra Sudamericana” de ingrata memória. Enfrentar o Cruzeiro, nessas condições, disputando jogos continentais, meus hermanos, é fria. Como dizia meu saudoso irmão, Nélio César, “é ruim, me´rmão”. Tirante aquele jogo contra os emplumados-cacarejantes, que foi operado pelo chofer de táxi, inventando um penal logo após a vantagem estrelada, desprezando outro, claro, tão claro que até um cego verdadeiro consegue visualizar, as coisas voltaram aos seus verdadeiros eixos.

DEPOIS DISSO, JÁ PAGARAM O PATO o Estudiantes, o rebaixável Ipatinga e, ontem, o Guarani falsificado, quer dizer paraguaio. Nada tem a ver com José de Alencar nem Carlos Gomes…!!! Agora, no intervalo de um jogo do Cruzeiro, fazerem homenagem à família daquele careca, ex-jogador ainda em atividade do Estudiantes, aí é demais. E viuvez manifesta ou, então, mais um sentimento emplumado-cacarejante exacerbado…!!! Que coisa, hein, sô…???

EU LÁ, PREOCUPADO COM A RETRANCA DOS ADVERSÁRIOS, placar magrelo, intervalo de jogo e a famigerada monopolizadora do futebol brasileiro me vem com a homenagem ao argentino “Brujita” e sua família. Foi de péssimo gosto. Aposto que, naquele momento, a audiência caiu a zero, pois todo torcedor esquadrão estrelado que se preze mudou de canal, quer dizer, zapeou para outro canal.

E AQUELA, DE QUE O LATERAL DIEGO RENAN “teria levado uma cotovelada” foi simplesmente demais. No mal sentido, é claro. Será que esse povo que narra os jogos não enxergam…??? O lance está ali, cara, ou no monitor, imagem exclusiva, e o cara me vem com aquela de “teria…”. Só não desliguei a TV porque estou pagando para ouvir asneiras como essas e não havia ninguém mais transmitindo o jogo. Sacumé, monopólio e coisas que tais… Fazer o quê…???

ESSE NEGÓCIO DE FRASES FEITAS, TAMBÉM, QUE times fulano, sicarano e beltrano são tradicionais, também já está enchendo as medidas, para não falar outra coisa. E temos que agüentar esse tipo de transmissão. Será que não há outra forma de narrar um jogo, não??? Um pouco de criatividade não faz mal a ninguém. Ou faz…???