Rápido & Rasteiro: Tratamento de pequeno


VOU BATER NOVAMENTE NA MESMA TECLA, até a diretoria do Cruzeiro desconfiar e se fazer impor. Os sopradores-de-latinha de plantão estão tratando o time como se não tivesse qualquer expressão no cenário estadual , quiçá em outras paragens. Como minha reclamação é quanto a atuação desse povinho no certame rural, fica aqui novamente meu alerta.

Foto: VipCommESSE SOPRADOR QUE ATUOU EM TEÓFILO OTONI, deixou muito claro isso, punindo as faltas dos Guerreiros dos Azul-Estrelados com o devido rigor, o zagueiro Gil e outros que o digam, enquanto os donos da casa tiveram a lassidão e omissão do moço para fazer o que bem entendessem.

O EXEMPLO MAIS MARCANTE DISSO FOI uma falta cometida pelo capitão do Melequinha de Teófilo Otoni, punido com cartão amarelo por falta truculenta, tendo reincidido, com muito mais virulência, segundos depois, e não foi expulso de campo, na chamada e manjada soma de amarelo com amarelo igual a vermelho.

SE O SOPRADOR-DE-LATINHA NÃO FOSSE TÃO “FROUXO”, pela forma de como a falta foi cometida, poderia aplicar até vermelho direto, mas seria esperar demais desses “frouxos” de plantão. “Frouxos” para apitar qualquer coisa favorável ao Cruzeiro, mas muito rigorosos quando é o contrário.

OUTRO LANCE TAMBÉM VISTO POR ELE COMO normal foi a cotovelada sofrida por Diego Renan. Dizer que não houve maldade do jogador melequense é querer que eu acredite em Papai Noel, Duendes, Fadas e na legitimidade do campeonato do gelo…!!! O jogador do Melequinha sobe no cabeceio com Diego Renan e faz o movimento característico, o manjado e danoso vai-e-vém o braço, desferindo a cotovelada.

NEM FALTA O HOMEM-DO-APITO MARCOU no lance. Como disse acima, já que o Cruzeiro vem sendo tratado com má-vontade e desconsideração por esse povinho da famigerada FMF (Federação Mineira de Futebol), se qualquer jogador estrelado tivesse desferido a tal cotovelada primeiro: o pessoal que narrou o jogo não a teria tratado com tanta benevolência e, segundo, o lance seria mais do que suficiente para o soprador-de-latinha expulsar o infrator visitante.

DIRETORIA AZUL-ESTRELADA, FIQUE ATENTA, POIS o rigor dos sopradores-de-latinha com o Cruzeiro tem a contrapartida da facilitação para os lados dos arqui-rivais, que tem sempre um penal esquisito marcado em seus jogos, ao primeiro sinal de dificuldade. Assim foi em praticante todas as partidas de que participou, principalmente no clássico.

AQUELE PENAL MARCADO LOGO APÓS A ABERTURA do placar pelo Esquadrão Azul-Estrelado foi, na pior das hipóteses, muito suspeito, já que ninguém vinha punindo esse agarra-agarra indecente dentro da grande área nas cobranças de escanteio e falta. Mais suspeita ainda ficou a jogada no momento que o motorista de táxi ignorou o penal, es-can-da-lo-so, cometido em Roger. Te cuida diretoria estrelada…!!!

ONTEM HOUVE UM LANCE EM CIMA DE WELLINGTON Paulista, outro em defesa do goleiro melequense, numa situação dificílima e muito duvidosa, sobre se a redondinha entrou ou não, situação que só pode ser esclarecida com o chamado “espião eletrônico”, que os controladores do futebol mundial insistem em não adotar, pois aí fica difícil manipular os resultados.

E, EM SE TRATANDO DE MANIPULAÇÃO, como é que ficam os títulos encomendados, como aquela famigerada Copa João Havelange, decidida em um campão (São Januário, que desabou, literalmente, e o São Caetano, que teria que ser declarado campeão, naquela oportunidade, voltou em campo e entregou as faixas para o Avascalhado na Pitimba… Este, por sinal, que abiscoitou o título de 74, num rol de irregularidades, dentro e fora de campo.

MAS ISSO SÃO OUTRAS QUESTÕES QUE não foram nem podem ser esclarecidas, porque não convém aos interesses da “Máfia do Futebol”, aquela que foi extinta com a punição de um soprador-de-latinha e um auxiliar, um porta-bandeira…!!!

POIS É, OS PODEROSOS DONOS-DA-CASA reclamaram um gol anulado, por suposto impedimento, pelo menos em primeiro plano, mas deve reclamar, por outro lado, o gol assinalado por seu próprio jogador, que redundou na vitória e manutenção do tabu de 61 anos nas terras quentes do Vale do Mucuri. Pois é, o Cruzeiro tem 100% de aproveitamento na terra de Frederico Chaves Guedes e Hílton Chaves, que vêm a ser meus quase-primos, já que primos de meu sogro, o fazendeiro Édson de Almeidas Chaves.

MAS, COMO SOU COERENTE, NA MEDIDA DO POSSÍVEL, não gostei do desempenho do Esquadrão Azul-Estrelado nesse jogo, pois estava muito cauteloso. Tivesse impostos respeito que lhe é merecido, teria obtido resultado mais tranqüilo. Essa de se apequenar, por imposição dos sopradores-de-latinha, não é a melhor medida…!!! Quem viu os dois primeiros jogos da Libertadores e essa partida contra o Melequinha de T. Otoni, pode até pensar que grandes são os outros, não o nosso time…!!!