Volta, Ábila (Cruzeiro 0 x 0 Vitória – Campeonato Brasileiro 17ª rodada)

Salve, guerreiros.

Segue a sina de não vencermos times do fundo da tabela. Dos quatro últimos colocados após as dezessete rodadas só vencemos o Atlético Pr. Se almeja classificação à Libertadores dois mil e dezoito, isso é inaceitável! Nos últimos quatro jogos pelo nacional, amargamos três empates e uma derrota para o Avaí. Nesses quatro jogos, marcamos um gol contra Fluminense e Flamengo, mas, não por falta de produção de jogadas. O time tem criado oportunidades de gol, entretanto, a falta de pontaria atrapalha a Raposa. Essa série de empates nos levará no máximo ao meio da tabela. Não estou confiante que o time vá melhorar.

Mano Menezes, que não usava Ramón Ábila por “entender” que o argentino e Sobis não podiam atuar juntos, agora escala o Sassá com nosso roqueiro sem o menor pudor. O “treineiro” deve pensar que somos idiotas! Desfez-se de nosso artilheiro (Isso mesmo, Ramón ainda segue como maior goleador no ano mesmo amargando a reserva e sendo preterido), e agora vê seus atletas perderem um caminhão de gol todo jogo. Mas vamos ao que interessa.

O jogo

O Vitória tenta abafar a saída de bola celeste e surpreender a Raposa logo no início da partida, mas logo, o Cruzeiro equilibra as ações e passa dominar o jogo. Como já relatei acima, a Raposa teve muito mais oportunidades de gol, mas não teve eficiência em empurrar a bola na rede.

Primeiro tempo

Nesta etapa da partida, o jogo foi mais estudado, mais chato. Foram poucas oportunidades de gol de ambos os lados. O time baiano ensaiou uma pressão inicial, mas o Cruzeiro logo tratou de sair da armadilha montada por Wagner Mancini. Por outro lado, o Cruzeiro criou poucas chances nessa etapa, mas desperdiçou. A exemplo de De Arrascaeta, Manoel voltou a sentir o pé esquerdo. Alguma coisa não está funcionando do Departamento Médico do Cruzeiro. Se os atletas não estavam prontos, por que foram liberados?

Segundo tempo

Essa etapa foi mais animada. A reais chances de gol foram criadas no segundo tempo. Desperdiçamos chances com Sassá, com Thiago neves. Não quero ser chato, mas será que Mano deveria ter se livrado do artilheiro do time? Será que um goleador com média de 0,5 gols por jogo não está bom para ele? Em entrevista a ESPN no programa Bola da vez Mano declarou sorrindo que não gosta de tomar gols, subentende-se então, que fazê-los é um mero detalhe. Na escola que Mano estudou, faltou a aula de “é preciso fazer os gols para vencer as partidas.”

Por isso, preterir o goleador da temporada não foi um problema para o Mano. Ele não gosta é de levar gols. Guerreiro de ouro vai para vai para Murilo, que entrou na vaga de Manoel e fechou a zaga, porque, se depender do Léo, estamos no sal. Guerreiro de lata fica com Rafael Sobis, mais uma vez. A “participação tática” do roqueiro azul é muito insuficiente pelo talento que o atleta tem.

Para encerrar, penso que esse elenco nos traria outra realidade nas mãos de um treinador que gostasse de vencer, afinal, perder uma e vencer duas, soma o dobro de pontos de três empates.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 0 x 0 VITÓRIA

Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Data: 30 de julho de 2017, Domingo
Horário: 19h (Brasília)
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (PA)
Assistentes: Helcio Araújo Neves (PA) e José Ricardo Guimarães Coimbra (PA)
Cartões: Uillian Correia (Vitória); Ariel Cabral, Sassá (Cruzeiro)

CRUZEIRO: Fábio, Lucas Romero, Léo, Manoel (Murilo), Diogo Barbosa, Henrique, Ariel Cabral, Thiago Neves, Elber (Rafinha), Rafael Sóbis e Sassá.
Técnico: Mano Menezes.

VITÓRIA: Fernando Miguel, Caíque Sá, Kanu, Wallace Reis, Juninho, Ramon, Uillian Correia, Carlos Eduardo, Yago (Patric), David, Tréllez.
Técnico: Vagner Mancini.

Agora é encarar o Vasco em Volta Redonda, uma vez que o clube carioca está cumprindo punições de perda de mando por confusões em São Januário. O confronto será na próxima quinta. Até lá, China Azul.

Guerreiro dos Gramados. Nossa torcida, nossa força!

Por: Álvaro Jr