Vexame no Mineirão. E que vexame!

Salve nação de guerreiras e guerreiros! Estamos aqui, para falar dos efeitos de mais uma derrota pelo Brasileirão, desta feita em casa, encerrando uma invencibilidade de 9 meses jogando em nossos domínios. No Mineirão, sob os olhos de 6.117 pagantes , se deu o vexame de perder por 4 x 2, frente ao Grêmio Barueri pela primeira vez disputando a série A do Campeonato Brasileiro. O time que foi a campo era bem diferente do time que venceu, com méritos, o São Paulo no Morumbi na última quinta-feira pela Taça Libertadores da América.

Não bastasse os desfalques por contusão e por suspensão, o Sr. Adílson Batista resolveu inventar, entrou com uma escalação jamais vista e jamais imaginável devido às peças que ele tinha em mãos. O Simples realmente é algo inexistente na vida de Adílson. Invenção é a palavra mais importante. Ele inventou um 3-5-2, com dois laterais direitos em campo e uma zaga desentrosada. Anderson, que é um jogador tecnicamente muito bom, estava visivelmente sem condição física, não ganhou de ninguém na corrida. Mas mesmo assim AB resolveu colocá-lo em campo para que a torcida, que não quer nem saber se o cara ta com rítimo ou sem, pegasse mais birra do atleta que ainda não mostrou a que veio.

Quando eu venho aqui defender por exemplo Bernardo, muitos dizem que não é hora dele. Mas então era hora de Vinícius? Que sequer entrou no decorrer de alguma partida, entrar numa fria dessas, desentrosado e com o time todo desfalcado? E Mateus? Que já vem esperando desde o início do ano uma oportunidade, por que improvisar Jonathan fora da real posição? Que entrasse com o time de juniores, mas com jogadores da posição. Mas o time que entrou estava ridículo.

Apesar dos desfalques, os reservas deveriam mostrar ao menos um pouco de vontade quando entrarem em campo, pois sequer isso se viu. Jogar ao lado de Kléber, Ramires e Leonardo Silva é fácil né! Outro detalhe, é que o nosso maior trunfo, que eram as vitórias em casa, caiu por terra ontem, o que significa dizer, que o aproveitamento em casa, que outrora fora de 100%, já não é um porto seguro para a torcida.

Eu sabia que a euforia da torcida na chegada do time a BH, após a vitória contra o São Paulo não teria reflexo positivo. Se mostrarmos um dedinho de apoio ao Adílson, ele se enche de moral para ferrar com o time, e fazer as poucas pessoas que foram ao estádio saírem morrendo de vergonha do time.

Faço um alerta: O discurso dos jogadores é de que o time reagirá no Brasileiro, e que não brigará para não cair, como ocorreu com o Fluminense em 2008. Mas é inegável, os números mostram, que estamos caminhando para isso. Gostaria de pedir aos jogadores e ao técnico do time para respeitarem a instituição Cruzeiro Esporte Clube e o seu maior patrimônio: o torcedor. Nós queremos ganhar todos os títulos, não somente a Libertadores.

Apoiaremos sempre, mas sempre que nos sentirmos desrespeitados, iremos cobrar. Que venha o Grêmio, e que joguem com seriedade, raça, e que vençam. A qualquer custo.

Grande Abraço, e até a próxima!