Treino de luxo (Cruzeiro 2 x 1 Tricordiano – Campeonato Mineiro 2ª rodada)

Salve, guerreiros!

Uma leve troca de idéias com o repórter Samuel Venâncio da Rádio Itatiaia pouco antes da estréia celeste no ano, eu o perguntei: Ábila está nos titulares ou reservas? A resposta curta e objetiva do Samuca foi: Não há titulares ou reservas. Foi o que vimos ontem. Mano levou a campo um time totalmente diferente dos compromissos anteriores da Raposa. Penso ser correta e louvável a atitude do treinador por vários fatores: Dá ritmo ao elenco; aproveita o fraquíssimo Campeonato Mineiro para manter os atletas dentro da filosofia de trabalho; Vai auxiliar para que posteriormente em eventuais substituições não haja prejuízo tático e técnico; faz o famoso rodízio diminuindo a possibilidade de lesões; entre outros. Mas nem tudo são flores. Houveram deficiências técnicas sérias na partida de ontem, e vamos explorar isso no decorrer da analise.

Primeiro tempo

Um início promissor de partida. À exemplo da última quarta, quando enfrentou o Atlético pela Copa da Primeira Liga, a marcação estrelada não dava chances ao time de Três Corações, aliado a isso, com a velocidade de Élber e Rafinha, partia para cima do adversário explorando esse quesito. Tais ataques, ora eram desperdiçados, ora paravam nas marcações equivocadas de impedimento, entretanto, Rafinha em jogada de linha de fundo cruza para Ábila abrir o placar. À partir daí, a Raposa passa a cozinhar o galo, o jogo fica morno até o fim da etapa inicial.

Segundo tempo

Na etapa complementar o Cruzeiro volta com a mesma disposição de não jogar. O Tricordiano tenta sucessivamente furar a defesa celeste que se portava bem até então. Como diz o ditado: Água mole em pedra dura(…)” em uma das poucas falhas de marcação celeste, uma jogada em que a zaga estava invertida, com Léo na esquerda e Caicedo na direita, uma bola enfiada coloca Carrara frente a frente com Rafael que nada pode fazer. Com a igualdade no marcador, a Raposa resolveu jogar.

Mano faz três alterações, de praxe, para oxigenar o time em início de temporada. Entram Robinho, De Arrascaeta e Alisson. Com o time renovado, chegar ao gol da vitória parecia uma questão de tempo. Robinho tentou, Alisson também e até De Arrascaeta de fora da área, mas foi o artilheiro da tarde, Ramón Ábila que em jogada muito oportunista desigualou o marcador nos minutos finais. A transmissão do Premiere, com obviedade explorou o lance em que por centímetros o argentino estaria em impedimento. Este colunista não tem o hábito de justificar um erro com outro, entretanto, vento que venta lá, venta cá. Os lances de impedimento da partida eram muito difíceis, e nós temos o auxilio de “trocentas” câmeras e ângulos, os auxiliares tem apenas o olho e precisam decidir. Paciência!

Opinião

Hoje vou inserir esse espaço a mais no texto para emitir alguns pareceres que julgo serem pertinentes. Gostei da estréia de Luiz Caicedo. Seguro pelo alto, sua única “falha” foi um erro coletivo de posicionamento que favoreceu o ataque adversário. Raniel também não teve boa participação, mas justifica-se pela insegurança de ter sido seu primeiro jogo entre os profissionais. Bryan por outro lado, não tem justificativa pela má atuação, é dele nosso  “Guerreiro de lata” de hoje. A reestreia de Mayke me deixou satisfeito. Espero que esse ano ele não sofra com lesões, pois tem muito a crescer e a somar. Boa partida também da dupla de volantes, Romero e Hudson desarmaram bem demais. Léo também foi muito seguro. “Guerreiro de Ouro” não poderia ser de outro, Ramón Ábila com dois gols de atacante nos deu vitória importante.

FICHA TÉCNICA:
CRUZEIRO 2 X 1 TRICORDIANO

Local: Estádio Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Data: 05 de fevereiro, domingo
Horário: 17h (de Brasília)
Árbitro: Antônio Marcio Teixeira da Silva (CBF)
Assistentes: Marcio Eustáquio Santiago (CBF) e Helen Aparecida Araújo (CBF)

Cartões amarelos: Robinho (CRU); Luis Felipe (TRI)

Gols:
CRUZEIRO: Ábila, aos 19 minutos do primeiro tempo, e aos 41 do segundo
TRICORDIANO: Guilherme Carrara, aos 26 minutos da segunda etapa

CRUZEIRO: Rafael; Mayke, Léo, Luis Caicedo e Bryan; Hudson (Alisson), Lucas Romero, Élber (Arrascaeta) e Rafinha; Raniel (Robinho) e Ábila
Técnico: Mano Menezes.

TRICORDIANO: Marcão, Marcelo Tchê, Wescley, Augusto e Renan Luís; Rodrigo Paulista, Léo Bertholo e Luís Felipe; Léo Cordeiro; Dinélson (Gilberto Carrara), e Rodriguinho (Lucas Vieira)
Técnico: Edinho.