RESPEITEM O CRUZEIRO!

Lá se vai mais um início de trabalho pífio por parte do Cruzeiro. Após um ano de muitos erros cometidos pela diretoria celeste, o clube volta a fazer escolhas erradas e investimentos que até agora não mostraram bons resultados. Não aprendemos nada com os sofrimentos de 2011, 2012 e 2015? Não aprendemos nada com as vitórias que conquistamos em 2013 e 2014?

A gestão do presidente Gilvan de Pinho Tavares não começou bem, pois foi necessário gastar muito tempo organizado a sujeira deixada por Zezé Perrela. Em 2012 contratamos mal com o pouco dinheiro que tínhamos: Gilson, Matheus, Marcos, Jackson, Amaral, Diego Arias, Marcelo Oliveira, Fábio Lopes, Rudnei, Thiago Carvalho, Walter e outros… Vágner Mancini e Celso Roth foram os treinadores responsáveis pela campanha mediana feita pela Raposa no Campeonato Mineiro e no Brasileirão daquele ano.

Depois de tanto sofrimento, veio a era vitoriosa da gestão Gilvan, que teve como protagonista o diretor de futebol Alexandre Mattos e o técnico Marcelo Oliveira. Apesar da resistência da maioria esmagadora da torcida, o ex-treinador do Atlético/MG foi contratado e levou o time celeste ao bicampeonato brasileiro. Anos de muitos acertos, de planejamento bem feito e de muitas conquistas. Um ótimo contrato feito com a Minas Arena, um crescimento gigantesco do programa de sócio-torcedor e dois títulos de expressão para o clube, além de um futebol que encheu os olhos de todo o país.

Passados os desastres de 2011/2012 e as glórias de 2013/2014, a gestão Gilvan mostra-se perdida. No ano passado, em 2015, o Cruzeiro não se planejou para as evidentes saídas dos seus maiores jogadores. Era óbvio, pois o assédio era gigantesco e não teria como segurar. Era preciso vender e repor à altura. Simples. Mas o que aconteceu mostrou um amadorismo gigantesco por parte da diretoria cinco estrelas.

Perdemos Egídio, Lucas Silva, Éverton Ribeiro, Ricardo Goulart e Marcelo Moreno, num primeiro momento. Já era o suficiente para entender que a espinha dorsal do time que foi bicampeão brasileiro estava desmanchada. Então, o Cruzeiro voltou a apostar em jogadores medianos para preencher as vagas deixadas na equipe principal. O resultado foi uma campanha desastrosa em 2015, salva pela inteligência de Mano Menezes, que acabou deixando o clube no final da temporada após receber proposta milionária do exterior.

Deivid, que foi efetivado na comissão técnica do clube, após bom trabalho como auxiliar técnico de Luxemburgo, pediu passagem e acabou sendo anunciado como técnico efetivo do Cruzeiro para 2016. Mais uma aposta da diretoria celeste que não deu certo. Difícil julgar essa escolha, pois muitos acreditavam que Deivid poderia dar continuidade ao bom trabalho feito por Mano Menezes, mas não foi bem isso que aconteceu.

Hoje, sob o comando de Deivid, o Cruzeiro não encanta. Não há padrão, não há evolução, não há jogo. As atuações da Raposa são de dar sono e o torcedor cruzeirense não aguenta mais os tantos erros cometidos por uma diretoria que diz estar implementando uma gestão moderna. Essa diretoria, que neste momento complicado pelo qual o clube passa, está omissa, e o presidente desapareceu dos holofotes da mídia.

A velha desculpa do Profut, da responsabilidade fiscal, não está mais convencendo o torcedor, até porque os investimentos feitos até agora não funcionaram. O futebol que o Cruzeiro está apresentando é de dar nojo. Muito disso passa pelo treinador, mas a diretoria também tem muita responsabilidade nisso tudo. Ainda não sabemos exatamente onde foi parar o dinheiro das vendas dos jogadores, para onde está indo o dinheiro do sócio-torcedor e para onde está indo o Cruzeiro Esporte Clube.

Ninguém aguenta mais o time treinado pelo “técnico” Deivid. Ninguém aguenta mais os erros cometidos pela diretoria e as desculpas dadas por ela. Queremos respeito! Respeito pelo clube, pela camisa, pelo torcedor. Queremos contratações de peso, jogadores que honrem o manto celeste. Chega de apostas furadas, de decisões erradas, de amadorismo. QUERO MEU CRUZEIRO DE VOLTA! RESPEITEM O CRUZEIRO!!! #ForaDeivid #AtitudeGilvan #QueremosJogador

Por: Pedro Henrique Campos