Olhai para o céu (Cruzeiro 0 (5) x (3) 0 Flamengo – Copa do Brasil)

Salve, guerreiros!

Olhai para o céu! Lá todos verão brilhando as cinco estrelas do Cruzeiro Esporte Clube de Belo Horizonte. O penta-campeão da Copa do Brasil, maior vencedor igualando o Grêmio que alcançou a marca um ano antes da Raposa, fez uma campanha irretocável. O caminho até a conquista não foi fácil, enfrentamos os adversários que havíamos vencido na quatro finais das conquistas anteriores. O Grêmio em 1993, o super Palmeiras em 1996, o  ótimo São Paulo em 2000 e finalmente, o Flamengo em 2003. Falando em Flamengo, não custa nada lembrar que o time da Gávea entrou na competição nas oitavas de final.

Olhai para o céu! Onde está a devoção do herói da noite, o Fábio. Com os dedos para cima e sua frase característica após feitos notáveis: “Glória a Deus!” Fábio foi um monstro em ambas as partidas. Fez defesas importantes, incluindo o pênalti cobrado por Diego. A exemplo da semi-final contra o Grêmio, os craques (Luan e Diego) dos times fizeram feio diante da nossa muralha, a de fato.  Nem a camisa dourada, que muitos torcedores supersticiosos têm como sinal de mal agouro, foi suficiente diante da fé e da eficiência do nosso arqueiro.

Olhai para o céu! Lá todos verão os 12kg da Copa do Brasil nos braços erguidos do capitão Henrique, que ao lado do zagueiro Léo formam uma dupla das mais injustiçadas por parte da torcida celeste. Que noite inesquecível! Que festa maravilhosa preparada para a conquista. Ela não podia estar em melhores mãos. A China Azul merecia depois de amargar dois anos muito ruins tal alegria, e com ela, a vaga direta para a Libertadores 2018.

Olhai para o céu! O céu de minha amada Belo Horizonte está iluminado pelo time que honra de verdade o estado mineiro. Honra com suas conquistas, com suas “páginas heroicas imortais”, com sua imensa torcida que teve a humildade de não cantar vitória antes do tempo como fez a torcida rubro-negra. Honra também com a entrega desses torcedores que fizeram uma festa linda que começou 24h antes da decisão com apoio ao time, continuou no decorrer do dia e com a recepção do ônibus celeste como nenhuma outra torcida sabe fazer. Honra com seus 90′ de gritos, de canto… jogamos juntos essa decisão, e vencemos juntos.

Olhai para o céu! O Cruzeiro está encrustado lá. É o lugar ao qual pertence, onde estão as suas glórias!

Olhai para o céu!

CRUZEIRO 0 (5) X (3) 0 FLAMENGO

Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Data: 27 de setembro de 2017 (Quarta-feira)
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira (SP)
Assistentes: Marcelo Carvalho Van Gasse (SP) e Danilo Ricardo Simon Manis (SP)
Cartões amarelos: Ezequiel, Hudson (Cruzeiro); Pará, Guerrero (Flamengo)
Público: 61.017 torecedores
Renda: R$ 7.897.000,00
Penalidades: CRUZEIRO: Henrique – Gol. Léo – Gol. Hudson – Gol. Diogo Barbosa – Gol. Thiago Neves – Gol; FLAMENGO: Guerrero – gol. Juan – gol. Diego – Perdeu. Trauco – Gol

CRUZEIRO: Fábio, Ezequiel, Léo, Murilo e Diogo Barbosa; Henrique, Hudson, Robinho (Rafinha), Thiago Neves e Alisson (Élber); Raniel (Arrascaeta). Técnico: Mano Menezes

FLAMENGO: Alex Muralha, Pará, Réver, Juan e Miguel Trauco; Gustavo Cuéllar, Willian Arão, Diego e Everton (Lucas Paquetá); Orlando Berrío (Rodinei) e Paolo Guerrero. Técnico: Reinaldo Rueda

Guerreiro dos Gramados. Nossa torcida, mostramos nesta quarta, nossa força!

Por: Álvaro Jr