Obrigado, Alex, de verdade… (Londrina 2 (3) x (1) 2 Cruzeiro – Primeira Liga)

Salve, guerreiros!

Muitas pessoas lerão apenas o título e vão pensar que meu objetivo é “cornetar” o menino Alex, não é. Alex, na verdade, nos fez um favor. Ao contribuir, segundo alguns, diretamente com a eliminação do Cruzeiro frente ao Londrina pela Primeira Liga, ele garantiu que enfrentemos o Flamengo na final da Copa do Brasil, apenas com foco nisso. O fato de o outro finalista ser o Alt. Mineiro, nos traria uma certa “obrigação” de vitória, e isso, nunca é bom. Enfrentar o Flamengo já é algo que vai exigir demais dos atletas de Mano Menezes, e cá entre nós, um possível título na Copa do Brasil traria muito mais prestígio e vantagens, como uma vaga direta na Libertadores do ano que vem, por exemplo. Isso sem falar de voltar a dividir com o Grêmio o posto de maior campeão do torneio.

O jogo

A Raposa foi cautelosa bem ao estilo de seu treinador, mesmo dirigida pelo auxiliar Sidnei Lobo, e com um time bastante modificado, precisamos enaltecer o que vimos ontem. Apesar de uma certa pressão do time da casa, o Cruzeiro foi quem abriu o placar, usando uma arma que tem tido bastante eficiência contra nós, a bola levantada na área. Em compensação, levamos um gol assim também no segundo tempo. Com o empate, os pênaltis decidiriam a sorte celeste na competição.

Primeiro tempo

O Londrina partiu para o ataque contra a garotada celeste que só ameaçou o gol paranaense aos 18′. Logo depois, a Raposa abre o marcador em cobrança de escanteio com Lucas Silva de cabeça. Com a desvantagem, o Londrina sai em busca do empate, mas o Cruzeiro não parece muito afim de explorar os contra-ataque e mantem-se mais plantado e saindo sempre com segurança.

Segundo tempo

O time da casa continua obrigado a propor o jogo. Sidnei Lobo começa as rodadas de substituições. Um dos personagens do jogo, é Alex, que logo após entrar, risca um passe milimétrico encontrando Élber na direita. Após finalização que explode na trave, a bola sobra livre para Sassá apenas empurrar para o gol aberto. 2 x 0 e a Raposa parecia encaminhar com tranquilidade a classificação à final.

Os ventos então começam a soprar a nosso favor (risos). O Londrina consegue seu primeiro gol no que tem sido a maior deficiência do time de Mano: a bola aérea. Levamos mais um gol de cabeça daquele em que o goleiro tem praticamente a obrigação de evitar. Bola alçada na pequena área é sempre do goleiro, ninguém, por mais impulsão que tenha, vai subir com a cabeça que qualquer goleiro com as mãos.

O gol de empate vem em cobrança de pênalti aos 51′ do segundo tempo. Jogo empatado, e cobrança de penalidades. Não vou entrar no mérito da questão se Vuaden acertou ou não a marcação, mas vi nas redes e grupos de whatsapp muitas pessoas responsabilizando Alex pela eliminação. Por que não Rafael foi “culpado” por defender apenas uma cobrança em seis? Na verdade, ele precisava ter defendido uma só, a do tempo normal.

Por que não culpar Élber que foi quase inoperante durante os 90′? Ou o estreante Messidoro que teve atuação apenas discreta? Lennon? Brian? Lucão? Agora sim faço uso de ironia. Nem vou escolher hoje em forma de protesto contra a atitude de alguns os Guerreiros de Ouro e Lata. Não concordo com essa postura de eleger “culpados”.

O que vi foi um time jovem, tão inexperiente cujo capitão era o Lucas Silva. Um time que não joga junto, que não fez uma partida oficial sequer conseguiu construir um bom placar, e ceder, justamente pela falta de malícia, o empate. Como disse no início, se realmente precisamos responsabilizar Alex por algo, que seja por nos dar condições de focar apenas na final que importa, a da Copa do Brasil.

 FICHA TÉCNICA

Londrina 2 (3) x (1) 2 Cruzeiro

Motivo: Semifinal Primeira Liga

Local: Estádio do Café, Londrina, Paraná. 3 de setembro de 2017, às 11h.

Arbitragem: Leandro Pedro Vuaden (RS), auxiliado por Jorge Eduardo Bernardi (RS) e Lúcio Beiersdorf Flor (RS).

Gols: Lucas Silva (19′ 1T), Sassá (8′ 2T). Alisson Safira (36′ 2T), Germano (51′ 2 T).

Londrina: César; Reginaldo, Edson Silva, Dirceu e Ayrton; Germano, Rômulo e Jardel; Artur, Celsinho e Carlos Henrique.

Téc: Cláudio Tencati.

Cruzeiro: Rafael; Lennon, Arthur, Digão e Bryan; Nonoca, Lucas Silva, Rafinha e Messidoro; Elber e Sassá.

Téc: Sidnei Lobo.

Agora é ir com tudo para cima do Flamengo para reconquistar a Copa do Brasil. O jogo será na próxima quinta no Maracanã. Até lá, China Azul.

Guerreiro dos Gramados. Nossa torcida, nossa força!

Por: Álvaro Jr