A noite do uruguaio

A noite do uruguaio

Salve, China Azul!

Uma partida memorável, eletrizante e com final feliz. Com o Mineirão voltando a ser a principal força celeste contra os adversários, o Cruzeiro bateu o Corinthians e se classificou para as semifinais da Copa do Brasil. O principal nome desta classificação, por incrível que pareça, não começou entre os titulares. Todavia, o imponderável do futebol teimou em aparecer e trazer De Arrascaeta à glória. Ainda bem!

Quando Rafinha sentiu logo aos seis minutos, uma certeza e uma dúvida pairavam sobre a mente do torcedor celeste. A certeza era que seu substituto natural era o uruguaio; a dúvida: qual a versão do uruguaio veremos hoje em campo, o destruidor ou o preguiçoso? Escalado pelo lado esquerdo, na mesma função do jogador substituído, uma posição onde ele não se sente tão à vontade… As incertezas ficaram nos primeiros toques na bola do camisa 10, onde já se via um jogador disposto, com muita entrega e dedicação. Na primeira boa jogada, deixou Ábila na cara do gol, que desperdiçou; na segunda, não teve erro. Décima quinta assistência de Arrascaeta na temporada.

O melhor, entretanto, haveria de ficar para a segunda etapa. O Corinthians, a esta altura, já estava em igualdade no placar e superior em campo. Numa boa sacada do técnico Mano Menezes, Arrascaeta é deslocado da faixa esquerda para o centro, como uma espécie de ponta-de-lança. O sacrificado da vez é Robinho, que teria que jogar aberto pelos flancos. Um sacrifício rapidamente recompensado. Aos doze da etapa final, uma arrancada pelo centro, após toque de cabeça de Ábila, e um pênalti claro, mas absolutamente bem cavado. Mais uma vez, Arrascaeta ajudava o Cruzeiro a ficar em vantagem. A diferença de dois gols já estava no placar quando, em uma jogada absurdamente bem ensaiada, Robinho lança Arrascaeta, que bate firme para marcar o quarto gol. O gol adversário, sofrido minutos depois, não foi o suficiente para acabar com a festa dos mais de 35 mil torcedores celestes presentes no Mineirão, e sequer serviu para manchar a atuação impecável do uruguaio.

Particularmente, sou um dos mais críticos em relação às atuações de Arrascaeta pelo Cruzeiro. Apesar dos ótimos números, sempre o via jogando de forma displicente, às vezes bem sonolento e desligado. Todavia, o uruguaio que entrou em campo ontem, contra o Corinthians, não foi nada disto. A sua participação, que não se resumiu apenas aos lances que definiram a partida, foi extremamente impecável, relembrando aquela jovem e genial promessa que os dirigentes celestes foram buscar no Defensor-URU. Decisivo, brilhante e letal, como um verdadeiro camisa 10.

Se a tão sonhada regularidade vai aparecer durante as próximas rodadas é uma outra história. Porém não podemos ser ingratos: se o cruzeirense comemora a classificação às semifinais da Copa do Brasil, em boa parte, ele deve à atuação impecável de De Arrascaeta. De antemão, já faço a minha parte.

Obrigado, De Arrascaeta!

Por: Pedro Henrique Paraíso