22 out Minas Arena, codinome “incompetência”


A Minas Arena, dia após dia, prova que não tem competência para estar à frente da gestão e administração da Toca III.

Primeiro – e mais grave de tudo – porque não preza por exaltar seus parceiros. Prefere tentar a artimanha da política da boa vizinhança a ficar bem na fita com o principal “cliente”, o Cruzeiro.

- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Foi assim quando tocou o hino do rival no estádio. Foi assim na final da Libertadores, quando isentou o Atlético do pagamento de custos que o Cruzeiro tem quando joga no estádio, como água, luz, limpeza e pessoal de apoio.

E não foi só isso.

Três? Quatro? Cinco? Sei lá, já perdi as contas de quantas bobagens a empresa fez desde a reinauguração do estádio, desde que o clube estrelado se tornou o único parceiro dela.

A polêmica de hoje, sinceramente, é “garoinha” perto das tempestades citadas acima, que resultaram inclusive em ameaça de rompimento contratual pelo Cruzeiro. Um mero banner convidando uma torcida para o jogo, mas com foto da torcida rival. Nada absurdamente grave.

É garoinha, repito. É garoinha que só comprova o que há muito se diz: a Minas Arena é de uma incompetência única.

Depois, se a garoa virar tsunami, vai se vitimizar.


Deixe seu comentário, curta e compartilhe