Libertadores 1976


30 de julho de 1976: data marcante e inesquecível para a nação cruzeirense. Foi nesse dia em que o Cruzeiro conquistou o seu primeiro título da Taça Libertadores, no 3º jogo da final, contra o River Plate da Argentina.

A partida, que aconteceu em Santiago, no Chile, visto como um campo neutro, foi considerada uma das maiores finais já realizadas na competição devido as chances de gols e pelo clima tenso dentro e fora de campo.

Arquivo
Foto Oficial do Título de 1976.

O Cruzeiro fez o primeiro gol, marcado de pênalti por Nelinho. Logo em seguida, abriu vantagem de 2 a 0, com o gol feito por Eduardo aos 10 minutos do 2º tempo. O time argentino diminuiu essa vantagem cruzeirense, minutos depois com uma cobrança de pênalti. Aos 17 minutosdo segundo tempo, em um episódio onde alguns jogadores dos dois times discutiam com o juiz Alberto Martínez a posição da barreira, próximo a área do Cruzeiro, Sabella cobrou rápido e passou para Crespo. O jogador argentino aproveitou que não estava marcado e empatou o jogo. O juiz, por sua vez, validou o gol que igualou o placar. Aos 43 minutos do segundo tempo, o time celeste descontou, pois Palinha sofreu uma falta próxima à área do time argentino. Enquanto todos ali presentes esperavam a cobrança, Joãozinho desprezou a autorização do juiz chileno e marcou um belo gol no ângulo, que foi o de desempate e, consequentemente, o do título.

Fora de campo houve um tumulto, que começou com a comemoração do preparador físico do time celeste. Na euforia, ele chutou a bola para cima que bateu em Lonardi, que revidou com um soco. O Massagista Guido e o jogador argentino Alonso entraram no meio e a polícia teve que interferir para separá-los. A partida termina com o placar de 3 a 2, que consagrou o time brasileiro como campeão da Taça Libertadores de 1976. Na arquibancada havia 35.182 pessoas, a maioria torcendo e gritando pelo Guerreiro dos Gramados.

Arquivo
Levantando a Taça 1976

Um fato curioso é que, depois da partida, os jogadores cruzeirenses se ajoelharam e rezaram pelo companheiro Roberto Batata, que morreu em um acidente de carro ao voltar da partida de semifinal contra o Alianza Lima, ocorrida no Peru. Foi a primeira vez que um jogador se consagrou campeão da Libertadores depois de sua morte. Esse título é especial não só para a nação azul, mas para os brasileiros em geral. A última vez que um time do Brasil havia ganhado a Taça Libertadores, foi13 anos antes a essa data, pelo Santos de Pelé.

Retrospectiva:

O campeonato contou com a participação de 10 países, sendo eles representados por dois times. No Brasil, o critério de escolha foi baseado nos times campeão e vice-campeão do campeonato brasileiro do ano anterior. Respectivamente foram Internacional e o Guerreiro dos Gramados.
Os 20 times disputaram entre si as 5 vagas para a fase das semifinais, onde se juntaram com o campeão do ano anterior, o Independiente da Argentina.
Na 1ª fase, o Cruzeiro eliminou Internacional, o Olímpia e o Sportivo Luqueño, os dois últimos do Paraguai. O grande jogo dessa fase inicial da Libertadores, foi o placar de 5 a 4 pra cima do time gaúcho, no dia 7 de março. Na 2ª fase, foi a vez do time equatoriano LDU e o peruano Alianza serem passados pelo time brasileiro. Anteriormente já detalhado, as finais aconteceram contra o River Plate da Argentina.

A primeira partida ocorreu na capital mineira, onde o time celeste venceu adversário por 4 a1, no dia 21 de julho. A única derrota do cruzeiro na competição aconteceu justamente no 2º jogo da fase final. O time argentino deu o troco e saiu vitorioso por 2 a 1 no Monumental Nuñez, em 28 de julho. Foi necessário a 3ª partida, em campo neutro, pois o saldo de gols não era usado como critério de desempate.

 

 

Lances do Cruzeiro na final contra o River Plate.
Cruzeiro o Campeão da America
http://www.youtube.com/watch?v=bnVu16Cup3Y