03 abr Jogos Históricos: A vingança do Brasileirão (Cruzeiro 3 x 2 Vasco – Copa Libertadores de 1975)


Cruzeiro e Vasco decidiram o Campeonato Brasileiro de 1974 e o título, de forma bastante polêmica, ficou com a equipe cruzmaltina.

O gosto amargo na garganta celeste foi alimentado por polêmicas como a inversão do mando de campo da decisão, transferida do Mineirão para o Maracanã em função da entrada em campo do vice-presidente azul, Carmine Furletti, em uma tentativa de agredir o árbitro do confronto entre as duas equipes que encerrou a fase final uma semana antes da grande final. E em campo, o gol mal anulado de Zé Carlos, aos 43 minutos do segundo tempo, coroou as lambanças que tiraram o título nacional da Raposa.

- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Como naquela época o Brasileirão classificava apenas campeão e vice para a Libertadores, Cruzeiro e Vasco se habilitaram para o torneio continental de 1975 e a fase de grupos já reservava a oportunidade de vingança para a equipe cinco estrelas. Naquele que foi também o primeiro confronto da Raposa contra um time brasileiro pela principal competição da América do Sul.

Era Fevereiro de 1975, início de temporada e quase 54 mil pessoas estiveram presentes no Mineirão na torcida pela revanche azul. E estas testemunhas seriam contempladas com um grande jogo e muita emoção ao longo do duelo.

Em um épico que desapareceu dos arquivos da Internet, o meia Palhinha abriu o placar para o Cruzeiro aos 31 minutos do 1° tempo. No entanto, ainda na primeira etapa Jair Pereira, aos 40 minutos, deixaria tudo igual, obrigando o time celeste a buscar novamente a vantagem.

Não demoraria muito, porém, para que a Raposa se colocasse novamente a frente no placar. Aos 9 minutos da segunda etapa, Palhinha marcaria o segundo dele e o Cruzeiro reassumiria a liderança no marcador. Mas aos 40 minutos, um jovem Roberto Dinamite deixaria tudo igual novamente, lançando um banho de água fria na festa das arquibancadas.

A equipe cinco estrelas, contudo, não se abateu. Aos 45 minutos, Nelinho em cobrança de pênalti daria números finais ao placar e consolidaria a vitória azul. E a sequência do torneio teria o Cruzeiro na semifinal e o Vasco eliminado ainda na primeira fase.

O primeiro título continental celeste viria só no próximo ano, é verdade. Mas o gostinho da vingança ao superar o Vasco na Libertadores deram ao Cruzeiro um belo motivo para festejar.

Ficha Técnica: Cruzeiro 3 x 2 Vasco

Motivo: 1ª rodada do Grupo 3 da Copa Libertadores de 1975.

Data: 23/02/1975

Local: Mineirão, Belo Horizonte (MG).

Cruzeiro: Raul; Nelinho, Darci, Piazza e Vanderley; Souza e Eduardo; Roberto Batata (Eli) (Cândido), Palhinha, Dirceu Lopes e Joãozinho. Téc: Hilton Chaves.

Vasco: Andrada; Paulo César, Miguel, Moisés e Celso Alonso; Alcir e Zanata; Jorginho (Bill), Jair Pereira, Roberto Dinamite e Luís Carlos. Téc: Mário Travaglini.

Gols: Palhinha aos 31 min (1×0) e Jair Pereira aos 40 min (1×1) do 1º Tempo. Palhinha aos 9 min (2×1), Roberto Dinamite aos 40 min (2X2) e Nelinho (3×2) aos 45 min do 2º tempo.

Foto: Estado de Minas/Arquivo

Fonte: Almanaque do Cruzeiro

Por: João Henrique Castro

 


Deixe seu comentário, curta e compartilhe