Guia do Campeonato Mineiro 2018 – Parte 3: Na luta pela taça!

Salve nação celeste! Chegamos à parte final do nosso guia do Mineiro de 2018 e é hora de tratarmos dos principais candidatos ao título.

Além do tradicional trio de ferro da capital, que domina o Campeonato desde a conquista do Ipatinga em 2005, o Boa Esporte, figurinha carimbada na Série B do Brasileirão nos últimos anos, completa a lista dos principais investimentos do Estado.

A expectativa, portanto, é de que a taça acabe, mais uma vez, ficando em Belo Horizonte com a equipe de Varginha se destacando entre os clubes do interior.

América

Campeonato Mineiro 2017: 3º lugar.

Divisão Nacional: Série A.

Competição paralela: Não disputa. O Coelho só entrará na Copa do Brasil nas oitavas de final em função do título da Série B.

Destaque: Rafael Moura.

Análise: O Coelho fez um bate e volta na Série B e retornou à Primeira Divisão nacional com moral conquistando o caneco da divisão de acesso e formando uma base mais competitiva do que a do rebaixamento em 2016.
 
Com um elenco com opções consideráveis no banco de reservas e um investimento mais forte que de costume, o América sonha em reconquistar a taça estadual e tentar desde já provar que é um time de Série A.
 

Atlético-MG

Campeonato Mineiro 2017: Campeão.
 
Divisão Nacional: Série A.
 
Competição paralela: Enfrenta o Atlético Acreano na Copa do Brasil e o San Lorenzo na Sul-Americana.
 
Destaque: Elias.
 
Análise: Atual campeão, o Atlético-MG vive uma verdadeira reformulação neste início de ano. Afinal de contas, referências do time como Robinho, Fred e Marcos Rocha deixaram o clube e foram substituídas por apostas como Roger Guedes e Samuel Xavier ou nomes experientes como Arouca e Ricardo Oliveira.
 
Dentre os remanescentes, Elias é o nome de mais destaque. No entanto, o volante não fez um bom 2017 e busca reencontrar o seu melhor futebol e conduzir a transição alvinegra.
 

Boa Esporte

Campeonato Mineiro 2017: 2º lugar no Módulo II.

Divisão Nacional: Série B.
Competição paralela: Não disputa.
Destaque: Amaral.
Análise: A última vez que o Boa Esporte chegou à semifinal foi em 2014, mas a equipe de Varginha frequentemente tem um elenco promissor e investimentos mais sólidos que os rivais inferiores. Ainda que, por vezes, a campanha no Estadual seja um fracasso, como no rebaixamento ao Módulo II em 2016.
 
Com poucos nomes conhecidos, o mais famoso é o volante Amaral (ex-Flamengo), a Coruja é o rival a ser batido pelos adversários do interior que invejam o lugar do clube na Série B nacional. Mas na briga pelo título, o Boa corre muito por fora.
 

Cruzeiro

Campeonato Mineiro 2017: 2º lugar.
Divisão Nacional: Série A.
Competição paralela: Está no Grupo 5 da Libertadores ao lado de Racing (Argentina), Universidad do Chile e o vencedor da disputa eliminatória entre Oriente Petrolero (Bolívia), Universitário (Peru), Jorge Wilstermann (Bolívia), Universidad Concepción (Chile) e Vasco. Na Copa do Brasil, estreia já nas oitavas após o encerramento do Campeonato Mineiro.
Destaque: Fred.
 
Análise: Único representante mineiro na Libertadores, o Cruzeiro qualificou o elenco campeão da Copa do Brasil e assume o favoritismo da competição.
 
Dentre os reforços, destaque para os retornos do lateral-esquerdo Egídio e do centroavante Fred que se juntam a tropa comandada por Fábio, Henrique e Thiago Neves em busca de novas conquistas.