Gilvan, você não aprendeu nada?

Começo este texto com uma simples pergunta: Você, no papel de presidente de uma companhia, contrataria um funcionário com histórico de indisciplinas e qualidade bastante questionável? Se sua resposta for ”sim”, parabéns. Você está apto para ser presidente do Cruzeiro Esporte Clube.

Ao longo dos últimos anos, temos, em nosso elenco, jogadores comprovadamente ruins e indisciplinados. Nomes que, em outras equipes, nem seriam sondados, por tomarem atitudes que não condizem com um jogador de futebol profissional.

O primeiro da lista foi Riascos. Mesmo tendo papel principal na conquista do rival em 2013 (piada pronta), e não apresentando qualquer qualidade para ser nosso jogador, Gilvan fez questão de buscar o atacante. Tínhamos jogadores de qualidade superior em nosso elenco, e, naquele instante, não poderíamos fazer investimentos furados. Riascos custou caro. Financeiramente, tecnicamente e moralmente. Tal consequência seria uma surpresa, se não fosse óbvia. Essa transação ficou marcada para as próximas, quando dizemos que Gilvan tem sua cota anual de “Riascada”.

O segundo foi o lateral Fabrício. À época, o jogador saiu do Internacional pela porta dos fundos. Seu ato (abandonou um jogo fazendo gestos obscenos para sua torcida) pegou de surpresa todos os amantes do futebol. Ninguém entendeu tamanho descontrole de um cara que se diz profissional. Lembro-me que, na ocasião, levantei a seguinte questão “Será que vai aparecer algum idiota para contratar o Fabrício? Esse cara deveria ser boicotado no futebol brasileiro”. O desfecho todos conhecem. Mesmo contando com 4 laterais esquerdos, o Cruzeiro fez questão de buscar o jogador que, além de indisciplinado, nunca apresentou futebol que o credenciasse a vestir o manto azul celeste. O fato é que Fabrício hoje é um peso morto na equipe, mesmo sendo protegido do (diz que é) técnico, Mano Menezes.

Rafael Silva foi o próximo da lista. Jogador com uma idade já avançada para considerarmos um investimento e que não mostrava condições de ser titular em um clube de segunda divisão. Na visão do Gilvan, toda a carreira fracassada do jogador foi ofuscada por uma noite iluminada contra o Cruzeiro. O óbvio aconteceu novamente, e Rafael Silva não conseguiu terminar um semestre em nosso elenco.

Agora nos encontramos numa negociação envolvendo o atacante Sassá. O jogador, que está em negociação com o Maior de Minas já há algum tempo, está sem espaço no elenco do Botafogo devido a uma série de atos de indisciplina. Novamente presenciamos uma negociação sem fundamentos conduzida pelo Gilvan. O presidente ainda teve a capacidade de dizer que o jogador do Botafogo é “um sonho” para o Cruzeiro.

Veja bem, se o jogador não serve para compor o elenco do Botafogo, vai servir de quê?

Mais uma vez observaremos o óbvio acontecer, sem que o presidente seja impedido. Todos sabem que Gilvan é centralizador, e quem ousa bater de frente tem o mesmo destino de Alexandre Mattos. Sua arrogância e falta de capacidade o impede de enxergar o que todos já sabem, e, quando ele perceber, já será tarde demais para dar o braço a torcer.

Por: Luciano Batista

Foto: Foto: Vitor Silva / SSPress.