Fazendo as contas (Arte: Fábio Veloso @whosfabio)

Fazendo as contas: Enfim salvos! E agora?

O Cruzeiro está praticamente salvo no Campeonato Brasileiro. A possibilidade de queda ainda existe na matemática, mas dependeria de uma combinação esdrúxula de resultados. Vitória e Inter precisariam vencer todos os seus jogos, o Sport teria que fazer ao menos 5 pontos, o Coritiba 3 pontos, São Paulo e Ponte Preta ao menos 2 e o Cruzeiro nenhum. Isto tudo ao mesmo tempo!

A sensação de muitos, diante deste quadro, é que o ano acabou. Mas o G-6 segue disponível. Mais que isso. Pela primeira vez no returno ele é mais provável que o rebaixamento. E com a última rodada as chances do Cruzeiro cresceram mais um pouco.

É importante frisar, porém, que o G-6 é muito difícil. Mesmo um eventual G-7, relacionado a presença do campeão da Copa do Brasil no grupo dos seis primeiros, ou até mesmo G-8, se a Chapecoense ficar entre os sete primeiros e vencer a Sul-Americana, é bastante complicado. Obrigatoriamente, o Cruzeiro precisa deixar ainda ao menos Atlético-PR, Corinthians e Fluminense para trás (ou contar com com uma sequência desastrosa do Botafogo na reta final, abrindo mais uma vaga).

A luta celeste depende de vencer os três jogos e secar os rivais. As contas são muitas, mas é possível. Vamos a elas:

Números projetados segundo informações do site do departamento de estatísticas da UFMG.

Meta: Manteve-se em 56 pontos.

Aproveitamento necessário: 100%.

Resultados almejados: 3 vitórias.

Chances de título atingindo esta meta: 0%.

Chances de Libertadores atingindo esta meta: Subiu de 31,172% para 36,215.

Chances de permanecer na Série A atingindo esta meta: 100%

Chances de título do Cruzeiro: O Cruzeiro não tem mais chances de título.

Chances de Libertadores do Cruzeiro: Subiram de 0,17% para 0,97%.

Chances de ficar no meio da tabela: Caíram de 99,15% para 99,02% .

Chances de rebaixamento: Caíram de 0,68% para menos de 0,01%.

Tabela restante

Santos (C) – 3 pontos

Internacional (F) – 3 pontos

Corinthians (C) – 3 pontos

E os rivais?

Botafogo: (Pode fazer no máximo 1 ponto. Neste caso, Cruzeiro precisaria tirar uma desvantagem de 5 gols no saldo. Para G-6, Cruzeiro não depende de ultrapassá-lo. Mas um declínio alvinegro pode colocar mais uma vaga em disputa).

Palmeiras (F) – 0 pontos.

Ponte Preta (C) – 1 ponto.

Grêmio (F) – 0 pontos.

Atlético-PR: (Pode fazer no máximo 3 pontos. Se chegar aos 56, o Cruzeiro não pode ultrapassá-lo no número de vitórias).

Sport (C) – 3 pontos.

Corinthians (F) – 0 pontos.

Flamengo (C) – 0 pontos.

Corinthians: (Pode fazer no máximo 4 pontos. E precisa perder o confronto direto para o Cruzeiro)

Internacional (C) – 1 ponto.

Atlético-PR (C) – 3 pontos.

Cruzeiro (F) – 0 pontos.

Grêmio: (Vencendo a Copa do Brasil, não precisa ser ultrapassado pelo Cruzeiro. Se ficar com o vice-campeonato, pode fazer no máximo 6 pontos)

América (C) – 3 pontos.

Santa Cruz (F) – 0 pontos.

Botafogo (C) – 3 pontos.

Fluminense: (Pode fazer no máximo 7 pontos)

Ponte Preta (F) – 1 ponto.

Figueirense (F) – 3 pontos.

Internacional (C) – 3 pontos.

Chapecoense: (Se vencer a Sul-Americana, não precisa ser ultrapassada pelo Cruzeiro. Se for eliminada, não pode fazer mais que 7 pontos)

São Paulo (C) – 3 pontos.

Palmeiras (F) – 1 ponto.

Atlético-MG (C) – 3 pontos.

Por: João Henrique Castro