07 dez Fazendo as contas: Buscar aproximação


Apesar da vitória sobre o Brasil de Pelotas, a 26ª rodada não foi necessariamente positiva para o Cruzeiro. Os resultados adversários não ajudaram e significaram uma elevação no aproveitamento esperado para o quarto colocado ao fim da temporada.

Dos sete primeiros colocados, apenas dois não venceram sendo que um deles foi a líder Chapecoense que de momento tem praticamente uma das quatro vagas de acesso asseguradas. Para as próximas rodadas, portanto, a missão será seguir vencendo e construir uma aproximação.

Na 27ª rodada, por exemplo, a chance de novo triunfo em massa dos primeiros colocados é atrapalhada, por exemplo, pelo confronto direto entre América e Sampaio Corrêa. Vencer o CRB significa, no mínimo, aproximar-se de um dos dois rivais na briga. Ainda é muito difícil e o momento pede que os tropeços não aconteçam para não se complicar ainda mais.

Vamos as contas (segundo o site chance de gol)

Meta: Subiu de 62 para 63 pontos (projeção a partir do aproveitamento atual do 4° colocad0. O Cuiabá tem 55,1% dos pontos disputados e chegaria aos 63 pontos mantendo este índice)

Aproveitamento necessário: Subiu de 79,5% para 80,56%  (superior ao da Chapecoense, líder com 65,4%)

Resultados almejados: 9 vitórias, 2 empates e 1 derrota.

Chances de título atingindo esta meta: Inferior a 0,1%.

Chances de acesso atingindo esta meta: Superior a 60%.

Chances de rebaixamento atingindo esta meta: 0%.

Chances de título do Cruzeiro: Subiram de menos de 0,04% para 0,1%.

Chances de acesso do Cruzeiro: Subiram de 12,3% para 20,8%.

Chances de permanência na Série B do Cruzeiro: Caíram de 87,58% para 79,09%.

Chances de rebaixamento do Cruzeiro: Caíram de 0,08% para menos de 0,01%.

Projeção

CRB (F): 3 pontos.

Vitória (F): 3 pontos.

CSA (C): 3 pontos.

Avaí (F): 3 pontos.

Ponte Preta (F): 3 pontos.

Cuiabá (C): 1 ponto.

Sampaio Corrêa (F): 0 pontos.

Oeste (C): 3 pontos.

Juventude (F): 1 ponto.

Operário (C): 3 pontos.

Náutico (C): 3 pontos.

Paraná (F): 3 pontos.

Por: João Henrique Castro

 


Deixe seu comentário, curta e compartilhe