“(…) esperei ele definir o canto.” (Vitória 1 x 2 Cruzeiro – Copa do Brasil 3ª fase)

Salve guerreiros!

A frase do título foi proferida em entrevista dada por Diego Renan no intervalo da partida após marcar mais um gol de pênalti sobre o goleiro Fábio. Escolhi esse titulo e tema para a introdução da coluna de hoje pois não posso deixar passar em branco a atuação do goleiro nessas duas partidas. É certo que mesmo sendo um goleiro de importantes defesas com a bola rolando, a bola parada parece perseguir o capitão celeste. São onze anos e meio como titular da meta celeste e as deficiências quanto ao assunto “bolas paradas” continuam as mesmas. Então, precisamos nos contentar com isso até que o arqueiro deixe nossa meta.

O jogo

Surpreendentemente a Raposa faz um bom início de partida em detrimento dos inúmeros desfalques que as circunstâncias impõe a Paulo Bento. Entretanto, as tantas modificações no time celeste não alteram o padrão de jogo defendido pelo treinador português que vai a cada rodada vencendo o preconceito instalado nos mais diversos setores do futebol brasileiro (CBF, federações e setores da imprensa), e o portuga vai se firmando aos poucos no comando técnico da Raposa. Para isto, o apoio da China Azul tem sido fundamental. A parte sensata da torcida entendeu que Bento deu um rumo ao Cruzeiro e com os reforços vamos brigar por tudo ano que vem, quiçá esse ano ainda beliscaremos alguma coisa…

O Cruzeiro abre o placar com Willian em bela finalização da entrada da área sem chance para Kayke. Aliás, o goleiro do Vitória travou um duelo particular com o Bigode durante a partida defendendo várias finalizações do camisa nove celeste. Esqueci de mencionar o fato de o menino Alex ter feito um bom início de partida, dando lugar a De Arrascaeta após sentir adutor da coxa. Falando no uruguaio, como cresceu sob a batuta do Bento! Entrou possuído e destruiu a defesa do Leão da Bahia deixando Willian em condição de fazer vários gols, sendo que o Bigode quando não errava bisonhamente a finalização, facilitava a defesa de Kayke chutando em cima do jovem goleiro.

Como já disse na introdução, o gol do Vitória saiu em cobrança de pênalti mais um vez convertido pelo ex-lateral celeste Diego Renan. Allano foi quem cedeu a penalidade ao tocar o braço na bola de forma desengonçada após levar drible desconcertante de Marinho que tinha a missão de explorar o jogador improvisado. Allano seria expulso no segundo tempo após nova falta feita sem necessidade. O consolo é saber que não estará a disposição de Bento no jogo da volta.

Além de Alex, Alisson também deixa a partida sentindo a parte posterior da coxa, o que causa uma reação de Paulo Bento que pretende ir a fundo cobrando explicações por tantas lesões. É impossível montar um time base dessa forma, e Bento está coberto de razão em cobrar que algo seja feito nesse sentido. Élber, por exemplo, quando estava emprestado ao Sport Recife não tinha contusões em sequência como está tendo aqui. Entretanto, a grata surpresa de ver Bruno Nazário que entrara no lugar de Alisson, terminar cobrindo e bem a lateral esquerda após a expulsão de Allano foi um frescor durante o empate que parecia certo. Mais tarde Bento decide colocar Federico Gino em campo e reposiciona Nazário na direita para ajudar o Lucas que vinha cometendo alguns erros, o que volta a expor a lateral do lado esquerdo da defesa.

Willian acaba vencendo a zica e marcando o segundo gol dele na noite dando a vitória ao Cruzeiro que ainda toma muita pressão do time baiano até o fim da partida desperdiçando vários contra-ataques. Apesar dos dois gols do Bigode, o Guerreiro de ouro fica com De Arrascaeta, que mesmo entrando no decorrer da partida, acaba com o jogo. Guerreiro de lata fica com Allano, a improvisação não dá a ele o direito de avacalhar com o plano de jogo celeste.

FICHA TÉCNICA:
VITÓRIA 1 X 2 CRUZEIRO

Local: Estádio Barradão, em Salvador (BA)
Data: 6 de julho de 2016 (quarta-feira)
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Paulo Schleich Vollkopf (CBF-MS)
Assistentes: Leandro Dos Santos Ruberdo (asp.FIFA-MS) e Sérgio Alexandre da Silva (CBF-MS)
Cartões Amarelos: Willian Farias, Diego Renan, Kanu e Marinho (Vitória); Robinho, Bruno Rodrigo, Allano e Ariel Cabral (Cruzeiro)
Cartão Vermelho: Allano (Cruzeiro)
GOLS: VITÓRIA: Diego Renan, de pênalti, aos 15 minutos do primeiro tempo
CRUZEIRO: Willian aos sete minutos do primeiro tempo; Willian aos 26 minutos do segundo tempo

VITÓRIA: Caíque; Victor Ramos (Tiago Real), Ramon e Kanu, Diego Renan, Amaral (Alípio), Willian Farias e Euller (Nickson); Vander, Kieza e Marinho. Técnico: Vagner Mancini

CRUZEIRO: Fábio; Lucas, Bruno Rodrigo, Bruno Viana e Allano; Bruno Ramires, Ariel Cabral, Robinho (Gino), Alex (De Arrascaeta) e Alisson (Bruno Nazário); Willian. Técnico: Paulo Bento

Teremos agora um segunda-feira azul com o Cruzeiro enfrentando o Atlético de verdade, o paranaense pelo Brasileiro. O jogo será dia 11 às 20h no Mineirão, dia e horário que nós cruzeirenses não conhecemos, mas vamos nos esforçar para encher o Mineirão e buscar três pontos no Brasileiro. Guerreiro dos Gramados. Nossa torcida, nossa força!

Por: Álvaro Jr