Em boas mãos (Cruzeiro 1 x 1 América MG – Campeonato Brasileiro 4ª rodada)

Salve guerreiros! O torcedor que não percebeu que a Raposa está em franca evolução nas mãos de Paulo Bento pode achar outro esporte para torcer, pois não entende nada de futebol. Não! Ainda não podemos dizer: parece outro time. Entretanto, a evolução é nítida. Há um padrão, há controle da bola, os números de acerto de passe subiram bastante, esbarramos apenas no último passe (temos jogado contra times muito fechados dificultando isso), e as finalizações que precisam ser mais certeiras. Já falamos aqui na última analise sobre a falta de confiança de nossos homens de frente, então não repetiremos.

O jogo

Um primeiro tempo de domínio absoluto do Cruzeiro, 67% de posse de bola, jogadas criadas, chances de gol, mas em um erro na saída de bola, foi o América que abriu o placar. Já é o terceiro jogo seguido que o Cruzeiro começa bem, mas acaba levando o gol, o que desmonta o já fragilizado time celeste. Vem a obrigação de correr atras do placar, soma-se a isso a pressão da torcida, os fatos ocorridos até aqui no ano, a incômoda posição na tabela…

O América abusa da cera de todas as formas possíveis em cobranças de tiro de meta, faltas, e principalmente no cai-cai. A Equipe estrelada volta ao segundo tempo com Douglas Coutinho para buscar o empate, e Paulo Bento promove a reestreia de Riascos com a camisa azul celeste em busca do gol, mas é De Arrascaeta quem abre o placar celeste infiltrando na defesa após receber lançamento preciso de Robinho, aliás, não o citei antes pois merece um parágrafo só dele.

Robinho estreou bem com a camisa azul. Passes precisos, lançamentos, condução de bola e cadenciamento da partida, aquele atleta que estamos cobrando há tempos, um cara para pedir calma à molecada, ser a extensão do treinador dentro do campo, olha, vestiu a camisa e se estiver em condições para os noventa minutos, não deveria sair mais da equipe.

Jogo empatado e o América não queria mais nada com a partida, começou um festival de cai-cai em campo que foi irritando à torcida e Paulo Bento que ao perceber o “jeitinho brasileiro” do “Fair Play” do time de Givanildo, profissional da cultura européia que é, ordenou aos atletas celestes a não devolverem mais a bola. Indignado ele falou posteriormente em entrevista que não permitirá mais que o Cruzeiro seja prejudicado por tal artimanha. Vestiu a camisa, brigou por nossas cores. Subiu e muito no meu conceito, pode treinar o Cruzeiro por muitos anos, em minha modesta opinião. Sei que teremos uma era de ouro com ele ao comando.

Não poderia ser de outra pessoa o Guerreiro de Ouro da nossa coluna que não fosse o treinador português. Está na hora da malandragem deixar de ser artifício em nosso futebol. Tempo de ser mais Alemanha do que Brasil. Guerreiro de lata vai para Sanches Miño, mais um gol sofrido no seu setor e contando.

FICHA TÉCNICA

CRUZEIRO 1 X 1 AMÉRICA-MG

Local: Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte (MG)

Data: 28 de maio de 2016, sábado, 16 horas (de Brasília)

Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (PA)

Assistentes: Celso Luiz da Silva (MG) e Felipe Alan Costa de Oliveira (PR)

Gols:

CRUZEIRO: Arrascaeta, aos 36 minutos do segundo tempo

AMÉRICA-MG: Victor Rangel, aos 29 minutos do primeiro tempo;

CRUZEIRO: Fábio; Federico Gino (Douglas Coutinho), Bruno Viana, Léo e Sánchez Miño; Henrique Bruno Ramires, Ariel Cabral (Robinho), Arrascaeta e Élber; Willian (Riascos)

Técnico: Paulo Bento

AMÉRICA-MG: João Ricardo; Hélder (Roger), Artur, Sueliton e Danilo Barcelos; Leandro Guerreiro, Claudinei, Rafael Bastos e Guilherme Xavier; Tiago Luis (Juninho) e Victor Rangel (Sávio)

Técnico: Givanildo Oliveira

Na próxima quarta (01/06) o Cruzeiro volta a campo no Mané Garrincha em Brasilia com mando do Botafogo. Até lá China Azul. Guerreiro dos Gramados. Nossa torcida, nossa força.

por: Álvaro Jr

 (Foto: Washington Alves/LightPress/Cruzeiro)