Edimar. Edi quem? Do Cruzeiro…

É lógico que eu não conhecia o novo lateral esquerdo do Cruzeiro. Tenho 99,3% de certeza que você também nunca viu esse rapaz em campo, e isso não é demérito algum. Edimar é só mais um daqueles tantos atletas formados no futebol brasileiro que saem daqui desconhecidos. Não tem oportunidade de se mostrar em um grande clube, são emprestados para um pequeno, onde se destacam, e vão direto para o exterior. O caso deste lateral esquerdo de 30 anos é ainda mais interessante. O clube grande que o formou como jogador é justamente o nosso Cruzeiro. E agora o atleta chega como uma aposta, recomendada pelo treinador Paulo Bento. O que esperar?

Inicialmente, sejamos razoáveis. Vamos esperar pouco, bem pouco mesmo, quase nada. Como bem disse um filósofo famoso, crie qualquer coisa, menos expectativas. Entretanto, o nosso comandante ressaltou a característica defensiva desse jogador como preponderante para a contratação. Depois da aberração que vimos Bryan protagonizar contra o Vitória, sendo humilhado durante todo o jogo pelo possante Marinho (que parecia o Messi), fica evidente que precisamos de alguém que saiba compor a linha defensiva. Mas antes de tudo, é preciso pedir um pouco de entendimento pra você, cruzeirense, sobre qual é a função de um lateral.

O lateral é, antes de mais nada, um jogador de defesa. Sim, aparecer pelo lado e fazer cruzamentos são uma característica inerente à função, mas não é o trabalho primordial. O lateral tem que saber marcar na sua linha e fazer a cobertura dos zagueiros, em eventualidades. Ressalto isso para que não aconteça o mesmo que a torcida fazia com o Mena, atualmente emprestado ao São Paulo. Mena é um defensor que vai ao ataque eventualmente. Ou seja, ele faz o papel de um lateral com perfeição. Mal acostumada com a presença do antigo titular, Egídio, a torcida cruzeirense queria muito mais do chileno, o que causou um imenso desgaste desnecessário. Ah, entendam uma coisa: jogadores como Egídio só dão certo em times extremamente bem encaixados, como foi o nosso em 2013/14. Caso ele ainda estivesse aqui, seria apedrejado, como quase está sendo no Palmeiras. Na nossa vitória sobre o Palestra paulista, o Cruzeiro atacou sempre por lá no primeiro tempo, com Arrascaeta deitando e rolando sobre nosso antigo 6. Lembram disso?

Não tendo visto jogos de Edimar e desejando fazer uma análise (mesmo que superficial) sobre o mesmo, podemos recorrer a vídeos e números. Primeiramente, te convido a vê-lo cavando a expulsão de Cristiano Ronaldo, em janeiro do ano passado, enquanto atuava pelo Córdoba, da Espanha. Sobre vídeos, temos um compilado sobre o jogador disponível no Youtube. Nada que impressione, mas chama a atenção sua boa disposição nas divididas e alguns bons carrinhos. Mas gostaria de deixar também uma ressalva. Se o editor for bom, até o Allano vira craque em vídeo do Youtube. Tá, talvez com o Allano não tenha jeito, mas você entendeu a lógica.

No aspecto números, prepare-se para uma enxurrada. Na última temporada (2015/16), como jogador do Rio Ave, de Portugal, Edimar somou 34 partidas, marcou 2 gols e deu 3 assistências. Na época anterior, passou seis meses na Itália, mais precisamente no Chievo Verona. Reserva, entrou em apenas um jogo, em que ficou em campo 10 minutos. Emprestado para o Córdoba no primeiro semestre de 2015, se firmou como titular, atuando em 17 oportunidades, contribuindo com 1 assistência e tomando um amarelo. Em 2013/14, também no Rio Ave, foram 33 partidas, 1 gol, 2 assistências, 10 amarelos e 1 vermelho. Pegando essa amostra dos três últimos anos, observamos que o jogador contribui pouco no ataque, mas parece ser competente na fase defensiva.

Portanto, temos aqui uma análise prévia e superficial do jogador, antes de sua estreia. Nos resta aguardar sua entrada no time e torcer para que seja uma opção menos desastrosa que Bryan, que parece estar sentindo muito o peso da camisa de um gigante. Sigamos então a lógica daquele poeta tão querido por nós cruzeirenses. Vamos aguardar.

Foto: Washington Alves/Light Press

Por: Emerson Araujo