Cruzeiro no Princípio

O Cruzeiro foi fundado em 2 de Janeiro de 1921 com o nome de Societá Sportiva Palestra Itália. Na ocasião, estavam presentes 76 participantes de uma entidade que apoiava os direitos dos italianos no Brasil, a Casa di Itália, na rua Tamóios, no centro da capital minera.

Na rua Caetés havia uma loja chamada Casa Ranieri, famosa por seus artigos esportivos, onde os italianos costumavam se reunir. Foi lá que, inspirados pelo Palestra paulista, tiveram a idéia de fundar um clube que pudesse competir com os outros grandes da capital.

 

Foi solicitado, então, o estatuto pelo time paulista, que foi aprovado de forma unânime na reunião do dia 2, que marcou a fundação do clube.

As dificuldades já começaram no início, com a formação do time. A maioria dos atletas jogavam pelo Yale Athletic Club, então começaram a pensar em como transferi-los para o Palestra, que atuava na Segunda Divisão estadual.

Um torneio foi iniciado em abril e levaria os quatro classificados para a Primeira Divisão. Ele seria disputado pelos times da “Série B mineira” e por quatro clubes irregulares da divisão principal. Eles foram acusados pelo Palestra de se registrarem depois do prazo previsto pela Liga Mineira, na qual o clube já fazia parte.

O time conseguiu subir e levou consigo 13 jogadores do Yale e mais 3 do Atlético. Por causa disso o primeiro rival do Palestra foi o outro time de colonos, que acusou o antigo Cruzeiro de aliciamento.

A primeira partida aconteceu em 3 de abril de 1921, no extinto estádio do Prado Mineiro, quando saiu vitorioso, pelo placar de 2 x 0. O adversário foi um combinado do Villa Nova e do Palmeiras de Nova Lima. A base da equipe foi formada por 7 atletas do Yale (Nullo, Polenta, Quiquino, Américo, Spartaco, Nani e Henriqueto). Nani marcou os dois primeiros gols da história do clube. O time na época era formado por: Nullo; Polenta e Ciccio; Quiquino, Américo e Bassi; Lino, Spartaco, Nani, Henriqueto e Armandinho.

No primeiro jogo contra o Atlético o Palestra saiu vitorioso: 3 x 0, no dia 17 de abril, por um amistoso.

O estádio foi inaugurado em 23 de setembro de 1923, no Barro Preto, ao lado do campo de onde treinava os rivais do Yale. A obra foi erguida graças a ajuda de jogadores e associados, já que a colônia italiana era formada por operários da construção civil.

O Flamengo foi chamado para disputar uma partida que terminou empatada: 3 a 3. Haviam jogadores descendentes de italianos que atuavam na Seleção Brasileira e que vieram de São Paulo somente para ajudar o Palestra Mineiro, foram eles: Heitor, Gasparini e Severino. A festa teve a presença do cônsul italiano Conde Belli e sua esposa, a Condessa de Provana, que incentivaram muito o clube nos anos posteriores.

Quatro anos depois de sua fundação, o clube retirou uma cláusula em seu estatuto que proibia a inscrição de jogadores que não fossem de origem italiana. Iniciava-se então, um novo período para o clube, que abria espaço para atletas de qualquer nacionalidade.

Em 1926 o clube disputou irregularmente um amistoso com o Caçapavense, pois não teve o consentimento da Liga Mineira. O clube, por isso, foi suspenso por seis meses. Dessa forma a equipe ficaria afastada por metade do Campeonato. Após a suspensão, o Palestra fundou, junto com equipes pequenas, a Associação Mineira de Esportes Terrestres(AMET). Dessa forma, a entidade organizou um torneio independente, com sete times. No ano seguinte a AMET  se uniu a Liga Mineira, após demonstrar sua força ao vencer de forma invicta o recente campeonato.

A equipe se fortaleceu com a chegada de Matturi Fabbi, ex-técnico da Seleção Brasileira. O Palestra foi tricampeão, de 1928 até 1930. Mas a equipe continuava amadora, assim como outros grandes clubes da capital, mas a história iria mudar em breve, mas isso já fica para a próxima.