Tríplice Coroa

Cruzeiro e seus 12 anos de Tríplice Coroa

Fala, Guerreiros! Hoje o Cruzeiro comemora 12 anos da conquista da Tríplice Coroa. Não há torcedor celeste que não se emocione ao se lembrar da excepcional campanha da Raposa em 2003, ano em que o cruzeirense tinha total certeza de que seu time era imbatível. Campeão Mineiro, da Copa do Brasil e do Campeonato Brasileiro, a equipe mineira derrotou todos os seus adversários no decorrer do ano (com exceção do São Caetano).

O time que contava com Vanderlei Luxemburgo como técnico, era composto por Gomes, Maurinho, Luisão (que foi para o Benfica na metade da temporada), Marcelo Batatais, Sandro, Wendel, Recife, Martinez, Alex, Mota (Marcelo Ramos) (Jussiê), Aristizabal e Deivid (que também foi vendido no meio do ano, na janela do futebol europeu, para o Bordeaux). Os reservas eram Maicon, Cris, Edu Dracena, Thiago, Claudinei, Ruy, Paulo Miranda, Jorge Wagner, Márcio e Diego.

O início de um ano histórico começou com a invicta conquista do Campeonato Mineiro, a qual foi a primeira de uma série de três naquele ano. O time teve várias alterações na escalação durante a campanha, com o técnico testando todo o grupo e diferentes sistemas táticos. O Cruzeiro finalizou Campeonato Mineiro com 35 gols marcados e apenas 7 sofridos, 10 vitórias e dois empates. O destaque do clube na competição, disputada no sistema de pontos corridos, foi o jogo principal, no Mineirão: uma virada de 4 a 2 em cima do Atlético-MG, com gols de Alex (2), Deivid e Marcelo Ramos.

Na Copa do Brasil, o time celeste eliminou o Vasco nas quartas de final, no São Januário, e o Goiás, nas semifinais, no Mineirão. A equipe mineira conquistou pela quarta vez em sua história o título desta competição na final que disputou contra o Flamengo. No primeiro jogo, no Maracanã, as duas equipes empataram em 1 a 1. Já no segundo duelo, em casa, o time mineiro atropelou o rubro-negro por 3 a 1, conquistando pela quarta vez em sua história o título desta competição. O Cruzeiro contou com gols de Deivid (artilheiro), Aristizabal e Luizão. Foram 11 jogos, com oito vitórias e três empates.

O time sobrou em campo no Campeonato Brasileiro, sendo o que mais ganhou, menos empatou e menos perdeu. Assim como o Campeonato Mineiro, foi disputado por pontos corridos e, além disso, foi o Brasileiro mais longo da história (oito meses de duração). O time teve a segunda melhor defesa da competição e o melhor ataque, sobretudo, de toda história do campeonato. O título veio com duas rodadas de antecedência contra o Paysandu, em casa, com gols de Zinho e Mota. Mas, o encerramento da maravilhosa campanha não poderia ter sido melhor para o gigante azul, goleando o Bahia por 7 a 0 na Fonte Nova.

O Cruzeiro foi notavelmente superior às demais equipes, chegando às marcas de 100 pontos e 102 gols. Alex foi o destaque da tarde com cinco gols e se tornou o maior artilheiro do clube nesta edição e em todas as anteriores.

O trio de taças conquistado em uma só temporada nos levou a ser o único brasileiro a conquistar a Tríplice Coroa. Esse retrospecto com toda certeza emociona toda a China Azul. Só sendo cruzeirense para sentir essa emoção. Em especial, agradecimentos eternos ao ídolo Alex. São histórias assim que nos faz orgulhar do maior time de Minas Gerais e melhor time do século XX.

Por: Karol Dutra