Domínio azul e branco, em Vitória-ES

Como todos nós sabemos, o estado do Espírito Santo é um reduto do mineiro, um povo apaixonado por praia e futebol. A rivalidade entre Cruzeiro e Atlético-MG, vai além das fronteiras do estado, de Minas Gerais , se espalha por onde estejam torcedores cruzeirenses e atleticanos.

O que aconteceu neste último clássico não foi diferente, enquanto os times entravam em campo, no Uruguai, valendo vaga para a final do Torneio de Verão, eu me deparava desesperado atrás de uma televisão, na nossa querida Vitória-ES.

Passando pela Avenida Dante Micheline, me deparei com um reduto atleticano, onde se concentravam na capital capixaba, para assistir o clássico, com bandeiras e camisa. O jogo já estava 3 a 1, para a Raposa, ajeitamos nossa mesa, do lado oposto do bar, e um senhor de mais ou menos 52 anos, veio me perguntar, juntamente com nosso amigo Thiago Assis, se éramos atleticanos. Lógico que afirmamos, somos cruzeirenses, em som de alivio o senhor mostrou seu precioso chaveiro estrelado, foi quando o time do outro lado da lagoa, diminuiu o placar, 3 x 2.

O jogo começava a ficar complicado e os torcedores se exaltavam, foi quando o Cruzeiro aumentou o marcador. O que aconteceu no bar? Nada aconselhável para se fazer, saímos comemorando o gol, quando me deparei quase à metade do bar, comemorava o gol estrelado. A outra torcida? Ficava calada mais uma vez, o que me recordou o clássico, quando 1.500 guerreiros calaram 40 mil, atleticanos, no campeonato mineiro.

No final da partida, aconteceu a lógico, Cruzeiro 4 a 2, fora o show do perna longa, Ramires, que deitou e rolou para cima do adversário. Na capital capixaba e no Uruguai, o que se viu foi somente alegria e apenas um coro…

Vamos Vamos Cruzeiro…