Convenceu? Quase (Cruzeiro 2 x 0 Coritiba – Campeonato Brasileiro 10ª rodada)

Salve, guerreiros!

Jogou? Sim, e bem. Venceu? Também, boa vitória. Convenceu? Quase! Para tirar o “10” faltou não passar um bocado de sustos como foi dos 15′ até a hora do gol de Thiago Neves aos 37′. Foram duas bolas na trave, algumas bola aéreas que a defesa celeste perdeu, e isso já está ficando redundante. Nossa sorte, é que hoje não era dia do adversário acertar a meta de Fábio. Outra coisa que não convenceu, foi a entrevista do Sobis ao fim da partida. Ele saiu em defesa do Mano por causa da decisão esdrúxula da quinta passada de poupar todo time contra a Ponte Preta. São pontos corridos, e qualquer ponto perdido faz falta.

O jogo

O Cruzeiro inicia bem a partida, e cria, com bastante movimentação, algumas oportunidades de gol. O Coritiba então, ajusta sua marcação e passa a dominar o campo e vai criando sucessivos lances de perigo. O gol de Thiago Neves, rompe  então o bom momento do alviverde do Paraná, transferindo à Raposa o controle completo do jogo até o seu final.

Primeiro tempo

O bom início de partida do Cruzeiro merece destaque. Entretanto, apesar da boa movimentação, as chances são desperdiçadas. A partir do primeiro terço desta etapa, o Coritiba avança sua marcação e passa a pressionar o Cruzeiro. Foram quase 25′ de domínio paranaense com direito a duas defesas milagrosas de Fábio, duas bolas na trave. Mas, uma roubada de bola do lateral Diogo Barbosa, que não atravessa bom momento, dá início à jogada mortal que termina com o gol de Thiago Neves. A assistência foi do próprio Barbosa após tabela com Alisson. Após o gol, a grande polêmica da partida acontece na saída de bola. O Coritiba aproveita a distração dos atletas celestes que foram se hidratar. Dão rapidamente a saída de bola para ameaçar a meta de Fábio, mas a jogada deu errado pois o passe foi muito adiantado e ficou sob fácil domínio do goleiro celeste.

Segundo tempo

Na segunda etapa, o Cruzeiro praticamente não deu chances ao time “Coxa Branca”. Exceto um recuo bisonho de Caicedo que me trouxe um “de ja vù” da eliminação celeste na Sul-americana. Mas apesar da falha, o zagueiro equatoriano não teve atuação ruim. Léo também fez uma partida regular, mas a zaga celeste não foi exigida em demasia. A Raposa construiu várias jogadas de ultrapassagem e triangulações, com trocas de passes envolventes, chegaram até levar uma bronca do Mano Menezes por fazer “firulas” demais. Aparentemente, nosso treinador realmente não gosta de um bom futebol. O segundo tento celeste é do “Tio Sobis”, que vai reeditando com Neves a parceria que deu certo no Fluminense há alguns anos.

Como nossos homens de frente tiveram atuação destacada, vou agraciar o “Arqueiro de Deus”, o Fábio com o Guerreiro de ouro de hoje. Aquela defesa de um chute rasteiro no canto lhe garantiu o “prêmio”. Guerreiro de lata fica com Caicedo, apenas pelo recuo malfadado que quase resultou no gol do Coritiba.

Uma preocupação foi a saída de Lucas Romero que vinha em ótima fase. Vamos esperar que não tenha sido nada muito sério. Em seu lugar, entrou Hudson, que ficou perdido no primeiro tempo, mas deu a volta por cima no segundo. A disposição do atleta vindo do São Paulo é digna de nota. Acredita em todas as jogadas. Sassá entrou e não teve muito tempo. Fica cada vez mais claro que Ábila vai sendo sempre a última opção, mesmo sendo o artilheiro celeste no ano ao lado de Rafael Sobis que o alcançou com o gol de ontem.

FICHA TÉCNICA:
CRUZEIRO 2 X 0 CORITIBA

Local: Estádio Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Data: 25 de junho de 2017 (Domingo)
Horário: 16h (de Brasília)
Árbitro: Marcelo Aparecido R de Souza (SP)
Assistentes: Anderson José de Moraes Coelho (SP) e Bruno Salgado Rizo (SP)
Público: 14.190
Renda: R$ 213.928,00
Cartões amarelos: Alecsandro e Léo (Coritiba)
Gols: Thiago Neves (37′ 1T), e Rafael Sóbis (19 2T)

CRUZEIRO: Fábio; Ezequiel, Léo, Caicedo, Diogo Barbosa; Lucas Romero (Hudson), Ariel Cabral, Thiago Neves, Robinho e Alisson (Rafael Marques); Rafael Sóbis (Sassá). Técnico: Mano Menezes

CORITIBA: Wilson; Léo, Werley, Márcio, William Matheus; Jonas, Tiago Real, Matheus Galdezani (Tomas Bastos); Henrique Almeida (Getterson), Alecsandro e Rildo (Iago). Técnico: Pachequinho

Agora a Raposa tem a difícil missão de passar pelo Palmeiras na Copa do Brasil. Em meu entendimento, é a única explicação para a “poupança” do time na última quinta. Até lá, China Azul.

Guerreiro dos Gramados. Nossa torcida, nossa força!

Por: Álvaro Jr