Classificação da Camisa (Cruzeiro 1 x 1 Palmeiras – Copa do Brasil 4ª de final)

Salve, guerreiros.

Um dia de cada vez. Hoje é dia de comemorar, orgulhar-se de um clube que tem história, títulos, “páginas heroicas”. Ontem, a camisa celeste escreveu mais uma dessa páginas. Mineirão lotado, uma linda festa, uma vantagem relativamente boa e duas equipes qualificadas em campo. A torcida do Palmeiras confiava no seu elenco milionário, a torcida do Cruzeiro confiava no peso da camisa anil estrelada. Ela correspondeu, a “maglia” deu as cartas durante os 180′ do confronto. O Palestra paulista e seu orçamento estratosférico volta a São Paulo entendendo que lutou e foi eliminado pelo Gigante Incontestável das Alterosas. Seguimos assim, demonstrando a grandeza a que está destinado o clube que ostenta no peito as cinco estrelas que o batizaram. Parabéns pela classificação, Cruzeiro! Mas ainda não acabou. Vamos esperar o adversário da próxima batalha que será decidido entre Atlético (Do Paraná, lógico, porque não deu pro “galin”) x Grêmio.

O jogo

Depois de um primeiro confronto eletrizante, um jogaço de seis gols em São Paulo, era esperado mais um espetáculo protagonizado pelas duas equipes. Quem tinha a expectativa de outro jogo com muitos gols, decepcionou-se. Entretanto, o jogo foi muito bom. Duas equipes bem postadas destacando-se pelo jogo defensivo, ambas buscando a vitória mesmo assim. As linhas defensivas foram realmente um destaque, tanto que os goleiros não trabalharam tanto durante boa parte do jogo. O empate acabou sendo justo, mas o regulamento classificou a Raposa, que mesmo após sofrer o gol, manteve-se focada em busca da vaga.

Primeiro tempo

Não há muito o que dizer do primeiro tempo. Apesar da necessidade do Palmeiras pelo gol, estaria eliminada senão marcasse nenhum, o sistema defensivo celeste com a devida proteção de Henrique e Ariel Cabral, funcionou tão bem que o Cruzeiro ainda teve as melhore oportunidades dessa etapa. A exceção dos 30′ a 40′ em que o Palmeiras esboçou uma pressão, a Raposa teve o primeiro tempo sob controle.

Segundo tempo

As emoções ficaram mesmo reservadas para a segunda etapa da partida. O Palmeiras não tinha outra alternativa a não ser pressionar o Cruzeiro que continuava bem defensivamente. Em jogos assim, a atenção ao detalhe precisa ser durante toda a partida. Diogo Barbosa perde uma bola na saída para o ataque, fato que gera um escanteio. Na cobrança do tiro de canto, Fábio soca a bola para a entrada da área, uma bola “segurável”, Keno, que havia entrado há pouco, bate de primeira, a bola desvia em Lucas Romero e engana o goleiro Fábio, gol da classificação paulista. Se a vaga não vem, eu colocaria na conta do goleiro. Não se soca, ou espalma bola para a frente da área, eles aprendem isso desde o infantil.

A Raposa então deixa a técnica de lado e apela para a emoção, para a mística da camisa gigante envergada por seus atletas. De Arrascaeta entra dando mais opções ao ataque celeste. Raniel entra e inferniza a defesa adversária. Entretanto, quando o coração toma conta, o atacante cruza e o lateral faz o gol heroico, salvador. Diogo Barbosa que havia perdido a bola que gerou o gol do Palmeiras, redimiu-se cabeceando sem defesa para o fundo do gol de Jaílson.

Apesar do gol, o carregador de piano foi o grande destaque do Cruzeiro. Henrique fez uma partida memorável e fica com nosso Guerreiro de ouro de hoje. Guerreiro de lata fica com Rafael Sobis. Vocês até podem argumentar sua (dele) preocupação à obediência tática, mas isso, até o Luan (lembram dele? O que fez três gols no São Paulo) era elogiado por isso. Sobis é muito, mas muito mesmo, mais jogador que o Luan, precisa apresentar mais.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 1 x 1 PALMEIRAS

Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Data: 26 de julho de 2017, quarta-feira
Horário: 21h45 (Brasília)
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (Fifa-GO)
Assistentes: Bruno Raphael Pires Cristhian Passos Sorence (FIFA-GO)
Cartões amarelos: Alisson, Arrascaeta e Thiago Neves (CRU); Mina, Egídio e Edu Dracena (PAL)
Gols:
CRUZEIRO: Diogo Barbosa (39′ 2T)
PALMEIRAS: Keno (25′ 2T)

CRUZEIRO: Fábio; Lucas Romero, Léo, Murilo e Diogo Barbosa; Henrique, Ariel cabral e Elber (Arrascaeta); Thiago Neves; Rafael Sobis (Raniel) e Alisson (Lucas Silva)
Técnico: Mano Menezes

PALMEIRAS: Jailson; Jean, Yerry Mina, Edu Dracena e Egídio; Thiago Santos e Felipe Melo (Raphael Veiga); Roger Guedes, Guerra (Keno) e Dudu (Tchê Tchê); Borja
Técnico: Cuca

Agora é voltar a atenção para o Brasileirão, onde o Cruzeiro enfrenta o Vitória mais uma vez em casa. É vencer para acabar com essa série indigesta sem vitórias. Até lá, China Azul.

Guerreiro dos Gramados. Nossa torcida, nossa força!

Por: Álvaro Jr