Cautela, torcedor

Foto: Buda Mendes/Getty Images Sport

Salve Nação

As últimas semanas não têm sido de vida fácil na Toca da Raposa. Sequência de importantes partidas, lesões e futebol ainda abaixo do esperado pela torcida. No domingo, contra o Atlético, na segunda partida da final do Campeonato Mineiro, parte do primeiro semestre do Cruzeiro estará em jogo. Uma derrota no clássico e, mais um ano na fila de espera do estadual, certamente irá colocar o trabalho de Mano Menezes e a qualidade do elenco à prova.

Não que eu seja favorável à cultura do imediatismo, mas as péssimas atuações do Cruzeiro já têm resultado em cobranças incansáveis ao trabalho de Mano Menezes. E, de fato, o futebol apresentado pela equipe comandada pelo gaúcho não me convence, pelo contrário, é de matar qualquer um de ódio.

Ontem, inclusive, o parceiro Luciano Batista já falava aqui, no Guerreiro dos Gramados sobre as péssimas e pobres atuações do Cruzeiro. Mesmo sendo o melhor time no quesito resultados no país hoje, (25 partidas, 18 viórias, 6 empates e 1 revés) a falta de confiança da torcida na equipe parece ser interminável.

Contudo, é preciso cautela. Apesar do estilo de jogo adotado por Mano Menezes fugir totalmente às tradições do Cruzeiro, uma eventual troca de comando pode causar estragos até o restante da temporada. E não somente pela troca de comando e filosofia, em si, mas, principalmente, pela escassez de nomes no mercado.

Hoje, por mais que nos sangre os olhos ver um futebol tão apático e covarde, é preciso paciência, pois, até o início de junho teremos decisões na Copa do Brasil, Sul Americana, além da final no domingo contra o rival de Vespasiano.

Cautela e paciência são palavras de ordem no momento, mas é importante ressaltar: cobrar não é proibido e ainda é de graça!

Por: Simon Nascimento