Caindo pelas tabelas (Bahia 1 x 0 Cruzeiro – Campeonato Brasileiro 5ª rodada)

Salve, guerreiros!

Quem diria que o time que teria assumido a liderança com uma vitória domingo passado, estaria na décima posição desde esta quinta? Totalmente justificável com o futebol pífio que a Raposa anda apresentando. Mano e sua “jenialidade” de escalar Henrique na zaga é um dos diretamente responsáveis pelo revés diante do Bahia. Existem outros, e falaremos sobre eles no decorrer da analise desta manhã.

O jogo

Foi a quinta derrota no ano. Falando assim, parece que temos um ótimo time, bem treinado, com um futebol eficiente e prático. Mas não é assim. O Cruzeiro parece um arremedo de jogadores que se encontram de vez em quando para bater uma bolinha. Penso que podemos afirmar até que alguns times de pelada semanal apresentam mais padrão tático que o time de Mano Menezes. Vou dar um desconto pelo segundo tempo até razoável da equipe.

Primeiro tempo

Nesta etapa da partida, a Raposa apresentou qualquer coisa, menos futebol. Erros bobos de passe e posicionamento, um deles, gerou a jogada que resultou na expulsão do improvisado Henrique na zaga. Farei entretanto, o mea culpa do jogador, pois após rever algumas vezes o lance, entendo que não houve a infração. Em minha opinião, o árbitro com a visão encoberta, marcou erroneamente a falta. Quanto a aplicação do cartão, é questão de interpretação, ele optou pelo vermelho.

Outra “pardalisse” do Mano: Tirar Ramon Ábila. Esse colunista insiste em afirmar que o argentino é nossa única chance de tirar o zero celeste do placar. Podia ter tirado o Thiago Neves, por exemplo, uma nulidade em campo. Perdeu um gol inacreditável na linha da pequena área. Muito nervoso em campo, o Cruzeiro não teve poder de reação no primeiro tempo.

Segundo tempo

Nesta etapa da partida, o Cruzeiro apresentou algo que se parece mais com futebol. Voltou com a cabeça no lugar, neutralizou grande parte das ações do time da casa, e conseguiu levar algum perigo ao gol do time da Boa Terra. Entretanto, o único jogador que tem marcado gols, havia saído no primeiro tempo para a entrada do jovem Murilo na zaga. Falando em Murilo, o time não levou gol com ele em campo (risos).

Fiquei de olho em Robinho e Ezequiel que voltavam de lesão. O segundo há bastante tempo não jogava e sentiu levemente a falta de ritmo. Ambos fizeram partida discreta. No show de horrores deste jogo, Ariel Cabral é o único a manter a constância de atuação, portanto, fica com o Guerreiro de ouro. Guerreiro de lata vai para Mano Menezes. Não por ineficiência, pois até conseguiu extrair um discreta melhora do time, mas pela teimosia em não fazer do Cruzeiro, o Cruzeiro.

Li algumas opiniões a respeito, e a que mais agradou-me, foi do nosso ex-companheiro aqui do GDG, hoje na Band Minas, Stefano Poke Marquesini, trancrevo aqui:

“Quando esse elenco foi montado – e muito bem montado, diga-se, a ideia nunca foi a de apresentar um futebol “reativo”.”

Esse tem sido o clamor da torcida, inclusive foi tema de uma coluna do Alex “Talento Azul” já divulgada aqui pelo GDG. Apenas queremos um time que busque as vitórias, que crie jogadas que levem perigo ao adversário. Queremos que o Cruzeiro volte a ter seu famoso “rápido e rasteiro” ataque, que conquistou o Brasil, a América e o alçou ao panteão dos grandes e temidos times brasileiros.

FICHA TÉCNICA:
BAHIA 1 x 0 CRUZEIRO

Local: Arena Fonte Nova, em Salvador (BA)
Data: 08 de junho de 2017, quinta-feira
Horário: 21 horas (de Brasília)
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhaes (RJ)
Assistentes: Rodrigo F. Henrique Correa e Thiago Henrique Neto Correa Farinha (RJ)
Gol: Edigar Júnio.
Cartões amarelos: Renê Júnior, Eduardo, Vinícius, Tiago (Bahia); Ezequiel, Ábila (Cruzeiro)
Cartão Vermelho: Henrique (Cruzeiro)

BAHIA: Jean; Eduardo, Tiago, Lucas Fonseca e Matheus Reis; Renê Junior e Juninho; Allione (Mendoza), Vinícius (Gustavo Ferrareis) e Zé Rafael; Edigar Junio.

Técnico:Jorginho

CRUZEIRO: Fábio, Ezequiel, Léo, Diogo Barbosa e Lucas Romero; Henrique, Ariel Cabral, Robinho (Elber), Thiago Neves (Rafinha) e Alisson; Ramon Ábila (Murilo).

Técnico: Mano Menezes.

Vou explicar bem direitinho para ninguém acusar-me de estar torcendo contra: Domingo contra o lanterna do campeonato, de duas uma, ou o Cruzeiro se reabilita, ou é “pracabar” com a era Mano em caso de nova derrota. Quem viver, verá! Até lá, China Azul.

Guerreiro dos Gramados. Nossa torcida, nossa força!

Por: Álvaro Jr