Cruzeiro em colapso institucional

O Cruzeiro anunciou nesta terça-feira (19) mais um reforço, o volante Denílson, que estava jogando no Oriente Médio e teve passagens pelo São Paulo e Arsenal. Denílson é o sétimo reforço do que chega gerando uma expectativa positiva na torcida e com um currículo que o credencia a ser jogador do Maior de Minas. Robinho, Romero, Ábila,

Continue Reading →

Prova de fogo

A temporada do futebol brasileiro completa dois meses neste final de semana e passados onze jogos oficiais, incluindo a Primeira Liga, o Cruzeiro terá uma verdadeira prova de fogo no fim de semana. O confronto contra o Atlético-MG vale, objetivamente, pouco. Um empate mantém a Raposa com a vantagem de 3 pontos na liderança. A

Continue Reading →

Piazza, Dirceu Lopes e meu pai

   Meu pai era menino. Tinha lá seus sete ou oito anos quando achou uma fresta na janela do vizinho e espiou. Espiou e se encantou. A tal ponto que a cena que viu ali, na TV da casa alheia, mudaria para sempre a sua vida. E a do seu filho, que só nasceria quase

Continue Reading →

Nosso camisa 10 é a determinação

  Concordo que Ricardo Goulart teve atuação soberba; que Dagoberto foi fundamental para a vitória; que Rodrigo Souza atuou com desenvoltura de jogador experiente em grandes confrontos; que Dedé fez jus ao apelido “Mito”; que Willian provou por que é xodó da torcida.

Jogo às 17h30? Chororô liberado

  Sou avesso a chororô no futebol. Aquele episódio do Botafogo de Cuca, em 2008, aos prantos no vestiário, foi uma das coisas mais ridículas que já vi no esporte.A torcida do Cruzeiro também já pagou seus micos nesse quesito. Em 1998, prejudicado pela arbitragem, o Cruzeiro perdeu o título da Copa Mercosul para o

Continue Reading →

Willian (não) Faria falta

Willian (não) Faria falta - Foto: Foto: João Miranda / EM – D.A. Press 

O BLOG ouviu um membro do Departamento de Captação do Coritiba sobre as características do novo contratado do Cruzeiro, o volante Willian Farias.

Preferindo o anonimato, ele disse:

O Willian é um atleta que estava desde as categorias de base no clube. Ficou 14 anos no Coritiba e está saindo agora pela primeira vez. Ele é muito competitivo, com alta intensidade de jogo, bom desarme, boa recuperação e excelente marcação. Peca um pouco na parte técnica, não tem muito recurso para saída de jogo. Poucos passes de infiltração, muitos passes para o lado e para trás, mas boa mobilidade e mudança de direção. Resumindo, um jogador de boas características defensivas, mas que precisa evoluir e melhorar as características ofensivas.

 

Alex é arte! Alex é mil!

Alex é arte! Alex é mil! 

Mil jogos!

Destes, 121 com a camisa celeste.

Mas, afinal, 121 jogos ou apresentações artísticas?

Pois encerro hoje este dilema. Foi arte. Pronto.

Foi arquitetura, escultura, pintura, escrita, dança, teatro e cinema.

Ou alguém seria capaz de dizer que os lançamentos que ele dava para Aristizábal não eram como os traços curvos de Oscar Niemeyer?

Rodrigo Souza e o fim da “Niltondependência”

Rodrigo Souza e o fim da “Niltondependência” - Foto: Leo Fontes / O Tempo

Quando o nome de Rodrigo Souza foi anunciado entre os titulares da Raposa para o clássico, muitos resmungaram. Achavam que Marcelo Oliveira o havia lançado na fogueira.

Esses mesmos torceram ainda mais o nariz quando souberam que, não bastando a missão de substituir o xodó Lucas Silva, deram ainda, a Rodrigo Souza, a incumbência de marcar Ronaldinho Gaúcho.