Assim não, Romero (Cruzeiro 2 x 2 Santos – Campeonato Brasileiro 36ª rodada)

Salve, guerreiros!

Empate com um gosto estranho neste domingo no Mineirão. Estranho porque poderíamos ter tido melhor sorte e somar três pontos mantendo viva a esperança de classificação para a próxima Libertadores, apesar de, insisto em dizer que este colunista não alimentava esse sentimento, e aparentemente, tinha razão. Curiosamente, erros da arbitragem ocorreram para os dois lados, então, nem vou perder tempo com isso. O que prejudicou de fato a Raposa, foram seus próprios erros e falaremos sobre isso no decorrer da analise, vamos à ela.

O jogo

Um início ruim de jogo para as duas equipes. O Cruzeiro fugiu inicialmente as características de posse de bola e toques das últimas apresentações a abusou das ligações diretas. Quando finalmente pôs a bola no chão as oportunidades de gol começaram a aparecer, até que aos vinte e um minutos, De Arrascaeta disputa a bola pelo alto, que sobra para ele finalizar abrindo o placar na Toca III. A marcação celeste vai permitindo ao Cruzeiro controlar a partida. O Santos cria poucas oportunidades, mas em um erro no recuo de Lucas Romero, Ricardo Oliveira chega antes de Rafael tocando sob o goleiro para empatar a partida.

O cacoete de marcação do volante improvisado na direita (Mano tem lateral de ofício na banco que não tem jogado mal), faz com que em um carrinho ele derrube Copete na área celeste, em minha opinião, penalidade bem marcada por Héber Roberto Lopes, Ricardo Oliveira vence o até então invicto em pênaltis Rafael, marcando seu segundo gol no jogo. Falando em Héber Roberto Lopes, ele deixou de apontar a marca da cal quando Léo Citadinni corta com o braço cruzamento de Marcos Vinícius, mas como não marcou impedimento na jogada que originou o empate de Manoel, digamos que ficou “elas por elas”.

Elucidando então a série de erros que nos tirou dois pontos ontem, já citamos o mal fadado recuo de Romero e também o pênalti cometido por ele, os demais erros ficam por conta daquilo que tem sido um problema no Cruzeiro dois mil e dezesseis, várias oportunidades criadas e desperdiçadas, com Léo, Áblia, De Arrascaeta e como não poderia faltar na lista, nosso “Homem não gol”, Willian Bigode. Guerreiro de Ouro é dele mais uma vez, o Capitão Henrique. Uma partida segura, distribuindo o jogo, deixando De Arrascaeta livre para flutuar no campo. Guerreiro de lata fica com Romero por ter “participado” dos dois gols santistas. Nem a expulsão, exagerada a meu ver, do uruguaio pode suplantar a participação “decisiva” de Lucas Romero.

Em minha opinião, Ezequiel deveria retornar à lateral e Romero deveria voltar ao meio no lugar de Ariel Cabral, que apesar de ter feito boa partida ontem, joga mais “desinteressado” que seu compatriota. Para finalizar, o Cruzeiro lançou ontem camisa três alusiva aos cinquenta anos da taça Brasil, nosso primeiro Brasileiro. O uniforme dividiu opiniões entre os torcedores, mas o ano que o time está tendo, deixa o torcedor mais crítico. Finalmente a camisa tem um patrocinío branco, ou alguém tem saudade do laranjão? Finalmente a “teta” do outro patrocínio ganhou limites, ou alguém está feliz com a estrela de leite? Parem de mi mi mi!

Claro que não estamos satisfeitos em, por dois anos seguidos brigar contra o descenso, mas a expectativa para dois mil e dezessete é melhor. Temos um treinador, não um estagiário, que conhece as carências do elenco e deve trabalhar alinhado com a diretoria para reforçar o time. Em minha derradeira opinião de hoje, penso serem necessários uns sete reforços pontuais, e com algumas dispensas, podemos ter finalmente um time competitivo que vai voltar a nos dar alegria ano que vem, ou a esperança de vocês não está renovada como a minha?

FICHA TÉCNICA:
CRUZEIRO 2 X 2 SANTOS

Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Data: 20 de novembro de 2016, domingo
Horário: 17 horas (de Brasília)
Árbitro: Heber Roberto Lopes (SC/FIFA)
Assistentes: Kleber Lúcio Gil (SC/FIFA) e Carlos Berkenbrock (SC)
Cartão amarelo: Alisson, Henrique e Lucas Romero (CRU); Jean Mota, Lucas Lima e Vanderlei (SAN)
Cartão vermelho: Arrascaeta, aos 35 minutos do 2º tempo
Gols: Arrascaeta, aos 21 minutos, do 1º tempo; Ricardo Oliveira, aos 2 e aos 16 minutos, e Manoel , aos 43, do 2º tempo

CRUZEIRO: Rafael, Lucas Romero, Léo, Bruno Rodrigo, Edimar, Henrique, Ariel Cabral (Bruno Nazário), Arrascaeta, Robinho (Marcos Vinícius), Willian (Ábila) e Alisson. Técnico: Mano Menezes

SANTOS: Vanderlei; Victor Ferraz, David Braz, Fabián Noguera (Léo Cittadini) e Zeca; Renato, Thiago Maia (Jean Mota) e Lucas Lima; Vitor Bueno (Lucas Veríssimo), Copete e Ricardo Oliveira. Técnico: Dorival Júnior

Cumpriremos tabela até o final, mas podemos ter ainda a tarefa difícil de rebaixar o Internacional na próxima rodada, isso se o Saci não vencer o Corinthians nessa rodada que se encerra nesta segunda. Guerreiro dos Gramados. Nossa torcida, nossa força!