Assim não né, Mano! (América 1 x 1 Cruzeiro – Campeonato Mineiro semifinal)

Salve, guerreiros!

Mano Menezes, hoje o recado é para você. Entendo que assim como contra o São Paulo, estamos decidindo a classificação em “um” jogo de 180′ pelo Campeonato Mineiro. Entendo também, que a expectativa de novo embate diante do tricolor paulista na próxima quarta, aliado a maratona de jogos que o time tem enfrentado podem tê-lo levado a fazer o time jogar assim, como diante do América neste domingo. O problema é que o torcedor celeste é exigente. Não vai ficar aceitando um Cruzeiro tão “sem vontade”. Se não confirmar as duas vagas, sua casa vai cair com a torcida, só pra avisar. Os números não serão suficientes para que a boa vontade da torcida com esse time que pratica um futebol tão longe das características celestes se mantenha.

O jogo

De doer os olhos! A partida celeste diante do Coelho foi assim. O Cruzeiro teve uns lampejos de que buscaria a vitória no início da partida, mas o tempo foi correndo, a marcação do América era fortíssima e o time da casa foi equilibrando as ações. Aliás, foi dominando o jogo. Rafael teve participação tão fundamental quanto quem participou da jogada do gol de empate. No frigir dos ovos, a manutenção da vantagem do empate foi mantida, e talvez, isso seja o que importa.

Primeiro tempo

A Raposa conseguiu imprimir um certo ritmo logo no início dessa etapa, mas o América foi suportando a pressão inicial e foi se impondo diante de um Cruzeiro que foi se fechando cada vez mais. Rafael se destacou com importantes defesas, mas a Raposa também contou com a má pontaria dos adversários que perderam as principais chances de gol desta etapa.

Segundo tempo

O Cruzeiro voltou disposto apenas a não levar gols. Não criou nada enquanto teve a igualdade no placar. O América, por sua vez, percebendo a inoperância celeste, viu a possibilidade de vencer o jogo e foi empurrando o Cruzeiro no seu campo. A persistência americana deu resultado, em uma falha coletiva da defesa celeste,  o time da casa abre o marcador.

O Cruzeiro então resolve jogar e recuperar a vantagem que perdia junto com a invencibilidade em dois mil e dezessete. Em bela trama pela esquerda do ataque, um centro na área encontra Thiago Neves livre de marcação para marcar e dar números finais ao marcador.

A vontade hoje é não dar o Guerreiro de ouro pra ninguém, mas, a atuação de Rafael foi determinante no empate. Ele é nosso Guerreiro de ouro deste domingo. Já o Guerreiro de lata, é merecido por vários atletas, mas como entendo que jogaram assim por determinação do treinador, Mano Menezes vai ficar com o “troféu abacaxi” do domingo.

Uma observação a fazer, já que essa coluna não tem como regra reclamar da arbitragem, mas, causou-me muita estranheza dois lances iguais envolvendo Rafael Lima e De Arrascaeta. O primeiro, o uruguaio sofre uma carga dentro da área com a bola dominada, e Igor Benevenuto opta por não marcar nada.

Posteriormente, o mesmo Rafael faz outra carga no mesmo De Arrascaeta, só que, no meio campo, então, ele marca a falta. Qual é o critério, Benevenuto? Estou de olho no senhor!

FICHA TÉCNICA:
AMÉRICA-MG 1 X 1 CRUZEIRO

Local: Estádio Independência, Belo Horizonte (MG)
Data: 16 de abril de 2017, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Igor Júnio Benevenuto (Asp. FIFA)
Assistentes: Pedro Araújo Dias e Ricardo Júnio de Souza
Cartões amarelos: Renan Oliveira e Ernandes (América-MG)
Gols:
AMÉRICA-MG: Messias, aos 17′ do segundo tempo
CRUZEIRO: Thiago Neves, aos 22′ do segundo tempo

AMÉRICA-MG: João Ricardo; Auro, Messias, Rafael Lima e Ernandes; Gustavo Blanco, Juninho, Gerson Magrão (Mike), Felipe Amorim (Alex Silva) e Renan Oliveira (Ruy); Hugo Almeida. Técnico: Enderson Moreira

CRUZEIRO: Rafael; Mayke (Henrique), Léo, Manoel e Diogo Barbosa; Hudson, Ariel Cabral, Thiago Neves e Rafinha (Ábila); Arrascaeta (Alisson) e Rafael Sóbis. Técnico: Mano Menezes

Agora é voltar a atenção para confirmar a classificação diante do São Paulo na próxima quarta. Vamos ver se Mano e seus comandados estão realmente tratando com a mesma seriedade as duas competições. Até lá, China Azul.

Guerreiro dos Gramados. Nossa torcida. Nossa força!

Por: Álvaro Jr