Agora é pegar o embalo

Em um campeonato onde muitos vencem e pouquíssimos convencem, o Cruzeiro tem feito a sua parte, mesmo aos trancos e barrancos. Tinha dito no último texto que se o time jogasse com a raça com que enfrentou o Clube Atlético, ninguém mais segurava o Maior de Minas. Contra o Atlético Goianiense, que é fraco mas não é de se jogar totalmente fora, o Cruzeiro marcou dois, com sensacional timing de Borges e WP marcando o seu de pênalti. Saiu com a vitória. Mas faltou aquela raça que a gente gosta de ver.

A subida na tabela foi crucial para que a Toca enfiasse logo o pé direito no returno; e o panorama completo ficou melhor ainda quando muitos outros times resolveram enfiar o pé foi na jaca – ontem o único adversário que poderia nos fazer cair uma colocação tomou acachapante dois gols do São Paulo, que está chegando para brigar lá na ponta. E alguns que também estão lá em cima pisaram um bocado nos freios, o que pode ser muito bom para o Cruzeiro a médio prazo. É hora de acreditar que agora o negócio é ir montanha a cima.

Mesmo porque – pode parecer clichê, mas – é no returno que as mascaras caem e o verdadeiro campeonato brasileiro começa. Penso em uma comparação com um esporte de resistência: nos primeiros minutos o negócio é segurar o ritmo, enquanto os adversários começam a colocar as línguas pra fora; na reta final, é mais fácil recuperar o fôlego para quem não se deixou cansar no início da partida. No futebol, pode ser que muitos desses times que hoje brigam pelo G4 (inclusive o líder) não terminem nem na zona da Libertadores o Campeonato Brasileiro. Nada está perdido, pra ninguém. E sair da mira da degola também é uma boa estratégia para todos os 20 times da primeira divisão.

Começamos o returno bem, ganhando pontos muito importantes fora de casa, mas o que define o percurso daqui pra frente é a raça cruzeirense, imbatível e inabalável quando surge. Que venha Náutico, Corinthians, Flamengo, Clube Atlético… aqui é Cruzeiro! E a folga da raça é só em janeiro. Foto: VipComm

Lembrando que continua a campanha pelo jogo de despedida de Marcelo Ramos. Clique e assine a petição!