A Copa Conmebol era o 2º torneio da América do Sul

penas-que-e-mentira-28062015-01penas-que-e-mentira-28062015-02O destaque do Cruzeiro no cenário sul-americano é indiscutível. São 15 participações na Libertadores e a marca de melhor aproveitamento entre os clubes que disputaram mais de uma edição. 2 títulos, 4 finais e o fato de ser o único brasileiro que disputou o torneio mais de uma vez que nunca caiu na primeira fase.

Fora isso, a Raposa coleciona 2 Supercopas, 1 Copa Ouro, 1 Copa Master e 1 Recopa, totalizando 7 torneios continentais e ficando atrás apenas do São Paulo, com 9 conquistas, entre os Brasileiros.

Diante deste quadro, os atleticanos, recentemente ingressos no hall de vencedores da Libertadores que possibilitou ainda a vitória na Recopa de 2014, buscam historicamente aumentar o peso da única competição continental que tinham no currículo até dois anos atrás. A Copa Conmebol. Entre argumentos como “torneio que antecedeu a Copa Mercosul que depois originaria a Sul-Americana”, os atleticanos deturpam a linha evolutiva dos torneios continentais e tentam modificar a realidade. A competição sempre foi vista pela confederação, e pelos clubes filiados, como um torneio de, no máximo, 3ª linha.

Criada em 1992, a Copa Conmebol abrigava os primeiros colocados dos campeonatos nacionais que não tivessem alcançado vaga na Libertadores. Contudo, até 1997 o torneio rivalizava com a Supercopa da Libertadores, torneio que contava apenas com a nata do futebol continental (os clubes que já haviam vencido a Libertadores) e a partir do ano seguinte com a Copa Mercosul, criada em 1998 e que mantinha em sua primeira edição o peso histórico como critério de classificação.

Marcada por desistências desde sua primeira edição, a Copa Conmebol jamais decolou no gosto dos clubes do continente. Em 1992, por exemplo, o Boca Juniors abriu mão de sua vaga no torneio e a Argentina foi representada por Deportivo Español, Gimnasia Y Esgrima e Vélez Sarsfield. Na Supercopa daquele ano, vencida pelo Cruzeiro, os hermanos contaram com Argentinos Juniors, Boca Juniors, Estudiantes, Independiente, Racing e River Plate. Já o futebol brasileiro na Conmebol tinha Atlético Mineiro, Bragantino, Fluminense e Grêmio (2º a 4º no Brasileiro 91 mais vice da Copa do Brasil 91), junto com Olimpia e Peñarol, os únicos que atuaram nas duas competições naquele ano, enquanto na Supercopa tinha Santos, Cruzeiro, Flamengo, Grêmio e São Paulo, os brasileiros que já sabiam o gosto de vencer a Libertadores na época.

Só o fato do Boca ter abdicado da vaga em 1992 dá um indício de como a Conmebol tinha menos prestígio que a Supercopa. Todavia, a disputa da Recopa, torneio que opõe ainda hoje os campeões dos dois principais torneios do continente, mantinha-se entre campeão da Supercopa e da Libertadores. O campeão da Conmebol, por sua vez, ganhava o direito de disputar a Copa Ouro, torneio que reunia ainda os campeões da Supercopa, Libertadores e da Copa Master da Supercopa, disputada entre os times que já haviam vencido a Supercopa. A Copa Ouro, contudo, só foi disputada em 3 anos: 1993, 1995 e 1996. Em nenhuma delas o campeão da Conmebol sagrou-se vencedor.

O Atlético-MG, contudo, sagrou-se o primeiro vencedor da Conmebol em 1992, enquanto o Cruzeiro venceu a Supercopa e ganhou o direito de enfrentar o São Paulo na Recopa de 1993, vencida pelos paulistas. A Conmebol, por sua vez, seguiria tendo dificuldade em decolar caminhando para cada vez mais desistências.

Em 1993, os argentinos que disputavam a Supercopa seguiam abrindo mão da Conmebol e San Lorenzo, Huracán e Deportivo Español (4°, 5° e 6° no Argentino) jogaram a competição. No Brasil, Atlético-MG, defendendo o título, Botafogo, Vasco, Bragantino e Fluminense representaram o país. Eram, respectivamente, 2°, 3° e 4° do Brasileirão anterior, além do vice da Copa do Brasil. Contudo, nenhum deles estava habilitado a Supercopa. Colo Colo e Olimpia jogaram as duas competições e o título ficou com o Botafogo que, por sua vez, teve a oportunidade de jogar a Recopa, feito único na história do torneio. Aumento da importância? Não! Como o São Paulo havia vencido Libertadores e Supercopa, a Conmebol convidou o alvinegro para a disputa.

Em 1994, o abandono dos argentinos a Conmebol foi gritante. San Lorenzo (3° colocado), Huracán (4° colocado) e Lañus (7°) disputaram o torneio, já que os times da Supercopa seguiam recusando. No Brasil, do vice ao quarto do Brasileirão mais o vice da Copa do Brasil seguiam na disputa. Grêmio e São Paulo, além do Peñarol, disputaram Supercopa e Conmebol naquele ano. O Tricolor Paulista, contudo, atuava com os reservas, tamanho descaso com a competição. Mesmo assim, ficaram com o caneco naquele ano, sob comando de Muricy Ramalho (Telê Santana treinava o time principal em outras competições) e o famoso Expressinho do Morumbi que revelou Rogério Ceni e era formado basicamente por juniores. Na Recopa de 1995, Independiente (Supercopa) e Vélez (Libertadores) se enfrentaram, mostrando como a Conmebol seguia vista como torneio inferior a ambos.

Em 1995, a lógica argentina seguia a mesma. Quem estava na Supercopa, abria mão da Conmebol. Gimnasia y Esgrima (3°) e Rosario Central (6°) representaram o país que passava a enviar um representante a menos que nas edições anteriores. No Brasil, 2° ao 4° do Brasileiro e vice da Copa do Brasil mais uma vez. Contudo, Atlético Mineiro, Ceará, Corinthians e Guarani não estavam habilitados a Supercopa. Pela primeira vez, a competição não contou com nenhum participante em comum com a Supercopa e o Rosario Central terminou campeão ao vencer o Atlético Mineiro nos pênaltis na decisão. Detalhe. A partida de ida havia sido 4X0 para o alvinegro no Mineirão e os argentinos, inexpressivos no cenário continental e mesmo nacional, devolveram o placar triunfando nos pênaltis. Na Recopa de 1996, Grêmio (Libertadores) e Independiente (Supercopa) mostravam que a lógica de maior valorização da Supercopa seguia existindo.

Em 1996, o desprestígio da Conmebol ficou ainda mais evidente. Os argentinos mantiveram dois clubes: Rosario Central, defendendo o título, e Lanús (2°), equipes não habilitadas para a Supercopa. No Brasil, por sua vez, quem disputava a Supercopa também passou a abrir mão do torneio, considerado pouco expressivo. Santos (2°), Cruzeiro (3°) e Grêmio (vice-campeão da Copa do Brasil), optaram pela Supercopa e abriram espaço para Fluminense (4°), Palmeiras (5°), Bragantino (6°) e Vasco (semifinalista da Copa do Brasil) disputarem o torneio que novamente não teve nenhum envolvido na Supercopa. Triunfo do Lañus e Recopa 1997 disputada entre Velez Sarsfield (Supercopa) e River Plate (Libertadores), ou seja, Conmebol seguia e ficava cada vez mais inferiorizada entre as disputas.

Em 1997, a CBF optou por modificar o sistema de classificação e valorizar as regiões Norte e Nordeste, diminuindo o problema das recusas de quem disputava a Supercopa. Os dois melhores no Brasileiro que não disputassem a Supercopa se classificariam (Portuguesa – vice de 1996; e Atlético Mineiro – 3°), mas os campeões da Copa Norte (Rio Branco do Acre) e Nordeste (Vitória) representariam também o país. Na Argentina, Lañus (atual campeão e 3° no Argentino) e Colón (4°) também não estavam na Supercopa e obtiveram suas vagas. Neste ano o Atlético Mineiro foi bicampeão do torneio, mas a disputa da Recopa 1998 ficou entre Cruzeiro (Libertadores) e River Plate (Supercopa).

O ano de 1998 marca o fim da Supercopa e a criação da Copa Mercosul. A principal novidade do torneio era a possibilidade de convidar equipes para a disputa, não sendo mais obrigatório ter vencido uma Libertadores para participar do segundo torneio mais valioso no continente. Devido a isso, San Lorenzo, Universidad de Chile, Palmeiras, Corinthians, Cerro Porteño e Universidad Católica entraram na disputa e a competição passou a ter nova fórmula. A Conmebol, por sua vez, seguia sua sina de ser inferior a dois torneios e se aproximava de seu fim.

Naquele ano, Gimnasia y Esgrima (4°) e Rosario Central (7°) disputaram a Conmebol representando a Argentina, enquanto Atlético Mineiro (4°), Santos (7° – Mesmo tendo vencido Libertadores, o Santos não foi convidado para a Mercosul pela Traffic, empresa que gerenciava torneio) representaram o Brasil via Brasileirão, uma vez que Palmeiras (2°) e Flamengo (5°) estavam na Mercosul e Internacional (3°) e Portuguesa (6°), não se interessaram pela Conmebol. Sampaio Corrêa (Copa Norte) e América de Natal (Copa do Nordeste) completaram o grupo de brasileiros e nenhum clube envolvido com a Mercosul participou da competição. O Santos ficou com o título, mas a Recopa passou a não ser mais disputada, o que só mudou em 2003, quando a Mercosul foi substituída pela Sul-Americana e o encontro entre os dois principais torneios do continente voltou a acontecer.

Em 1999, a Conmebol chegaria a sua última edição. O descaso dos clubes do continente havia atingido um nível em que o Gimnasia y Esgrima abriu mão da vaga para o Talleres na Argentina, enquanto o Rosario Central completou a lista hermana. Cobreloa e Cobresal recusaram as vagas e o Chile foi representado pelo Concepción, sexto colocado no chileno. O Uruguai, por sua vez, não teve interessados e no Paraguai o San Lorenzo herdou a vaga que não interessou ao Sol de América.

A falência do torneio se evidenciava ainda mais na relação de brasileiros. Os regionais passaram a ser a forma de classificação, mas mesmo assim recusas aconteciam. O São Raimundo de Manaus foi o único campeão regional a participar do torneio. Cruzeiro, campeão da Copa Centro-Oeste, e Grêmio, campeão da Copa Sul, estavam na Mercosul e foram substituídos por Villa Nova de Goiás e Paraná, respectivamente. Do Nordeste, porém, veio o maior sinal de desprestígio do torneio. Vitória, Bahia e Sport, os três primeiros colocados da Copa do Nordeste, abriram mão da competição e o CSA de Maceió, quarto colocado no Regional, representou o Brasil, sendo derrotado pelo Talleres na última e melancólica decisão do torneio.

A partir de 2000, a Copa Mercosul passou a ser a única alternativa à Libertadores no continente. Naquela edição, o Grêmio abriu mão de participar e o Atlético Mineiro foi convidado para o seu lugar, uma vez que as rivalidades locais eram a tônica do torneio e o Cruzeiro representava Minas Gerais (Palmeiras e Corinthians, Vasco e Flamengo eram os demais brasileiros. Cerro e Olimpia, Colo Colo e Universidad do Chile, Peñarol e Nacional eram outras duplas). Em 2001, contudo, o Grêmio retornou à competição e o Atlético Mineiro voltou a ficar de fora.

Em 2002, porém, a Conmebol optou por criar a Copa Sul-Americana e pôs fim no critério tradição para definir os classificados ao seu segundo torneio mais importante. No entanto, a competição nascia para substituir a Mercosul que, por sua vez, nasceu no lugar da Supercopa. A Conmebol, como o descaso dos clubes envolvidos nos demais torneios e as disputas de Recopa deixam evidente, sempre foi vista como um torneio de, no máximo, terceira linha. Os atleticanos, porém, batalham para transformar a competição em algo maior do que realmente era.

Por: João Henrique Castro