2 anos sem perder para o Cruzeiro? #MariaEuSeiQueVocêTreme?

Olá, pessoal. A partir de hoje iniciamos uma nova coluna no Guerreiro dos Gramados. Intitulada “penas que é mentira”, a coluna resgatará alguns argumentos historicamente construídos pelos atleticanos e que não passam de falácia: Importância do Torneio do Gelo, greve de argentinos na Libertadores 1997, time do povo e etc. A primeira delas, porém, não podia ser diferente. Após a derrota para o Cruzeiro no Independência neste sábado, atleticanos foram unânimes em resgatar a ideia de que o time cinco estrelas é freguês do alvinegro e que depois de “dois anos sem perder para o rival”, haviam até se esquecido como era (Para eles, lembrar dos últimos dois anos apenas é bem conveniente. É a forma de esquecer os 6X1, as Libertadores do Cruzeiro, o rebaixamento… Mesmo assim, tem que lembrar do bicampeonato brasileiro celeste. É duro).

penasqueementira01

Com menos títulos brasileiros, da Copa do Brasil e da Libertadores que o rival e sem jamais ter sido bicampeão de nada relevante, o atleticano se apega em alguns micro-dados para contar vantagem. Por exemplo, a falsa conta dos dois anos sem perder para o Cruzeiro.

Entre os dias 28 de Julho de 2013 e o dia 06 de Junho de 2015, datas das duas últimas vitórias da Raposa no confronto direto, não se completa dois anos. “Mas era o time reserva do Galo”, argumentam os atleticanos. No clássico do primeiro turno de 2014, decidido pela arbitragem de Heber e pelo erro crasso da bandeirinha em lance de Alisson, também era o reserva do Cruzeiro. Mas este eles não tiram da conta.

“Beleza, fera! Mas se tirar esta vitória do Cruzeiro sobre os reservas do CAM, fica muito mais que dois anos na fila”. Errado mais uma vez. No dia 19/05/2013, a Raposa venceu por 2X1 o segundo jogo da final do Mineiro. O jejum, tirando o jogo contra os reservas (os tabus do CAM sempre tem que tirar isto ou aquilo), seria de 2 anos e 18 dias.

“Mas a derrota valeu o título mineiro para o CAM”. Sim. É verdade. Como os três empates no Mineiro de 2014 valeram o estadual para a Raposa. Sem muito apego as taças, já que conquista poucas, o atleticano nem se importou com este detalhe para vangloriar-se do tabu que, aliás, é marcado justamente pelos empates.

Foram 11 jogos sem vitórias do Cruzeiro. 6 vitórias do Atlético-MG e 5 empates, distribuídos pelos anos de 2013 e 2015. No entanto, vejam vocês, o time que “treme” tem a vantagem no retrospecto em dois dos três anos, conforme se nota pelas tabelas abaixo.

2015

Motivo Placar
Primeira fase do Campeonato Mineiro Cruzeiro 1 X 1 Atlético-MG
Semifinal do Campeonato Mineiro Atlético-MG 1X 1 Cruzeiro
Semifinal do Campeonato Mineiro Cruzeiro 1 X 2 Atlético-MG
1° turno do Campeonato Brasileiro Atlético-MG 1X 3 Cruzeiro

 

Retrospecto: 1 vitória do Cruzeiro, 2 empates e 1 vitória do Atlético-MG. 6 gols do Cruzeiro e 5 gols do Atlético-MG. Vantagem: Cruzeiro.

2014

Motivo Placar
Primeira fase do Campeonato Mineiro Atlético-MG 0 X 0 Cruzeiro
Final do Campeonato Mineiro Atlético-MG 0 X 0 Cruzeiro
Final do Campeonato Mineiro Cruzeiro 0 X 0 Atlético-MG
1° turno do Campeonato Brasileiro Atlético-MG 2 X 1 Cruzeiro
2° turno do Campeonato Brasileiro Cruzeiro 2 X 3 Atlético-MG
Final da Copa do Brasil Atlético-MG 2 X 0 Cruzeiro
Final da Copa do Brasil Cruzeiro 0 X 1 Atlético-MG

 

Retrospecto: 0 vitórias do Cruzeiro, 3 empates e 4 vitórias do Atlético-MG. 3 gols do Cruzeiro e 8 do Atlético-MG. Vantagem: Atlético-MG

2013

Motivo Placar
Primeira fase do Campeonato Mineiro Cruzeiro 2 X 1 Atlético-MG
Final do Campeonato Mineiro Atlético-MG 3 X 0 Cruzeiro
Final do Campeonato Mineiro Cruzeiro 2 X 1 Atlético-MG
1° turno do Campeonato Brasileiro Cruzeiro 4 X 1 Atlético-MG
2° turno do Campeonato Brasileiro Atlético-MG 1 X 0 Cruzeiro

 

Retrospecto: 3 vitórias do Cruzeiro, 0 empates e 2 vitórias do Atlético-MG. 8 gols do Cruzeiro e 7 do Atlético-MG. Vantagem: Cruzeiro

Nota-se, portanto, o quanto o tal tabu é sobrevalorizado quando colocado em uma pequena escala de jogos de 2 anos e meio de disputas. Repleto de empates, jogos com arbitragem questionáveis e também participação de time reserva do Cruzeiro, nos últimos três anos o Cruzeiro leva vantagem no confronto direto em dois, perdendo em 2014 que, de fato, desequilibra a conta. Neste período, foram 16 jogos com 4 vitórias do Cruzeiro, 5 empates e 7 vitórias do Atlético-MG. Isto mesmo. Contam vantagem sem ter vencido sequer metade dos jogos neste período.

Em tempos recentes, o tabu que atleticanos se vangloriavam, a ponto de subir a hashtag #mariaeuseiquevocêtreme no twitter horas antes do jogo (como é aquela história da arrogância?) mostrava que o Cruzeiro “tremia” não chega perto de outro, construído durante a Era Adílson Batista no clube e quando a Raposa, de fato, ficou mais de dois anos sem ser derrotada pelo clube alvinegro. Mesmo colocando a atuação dos reservas que pôs fim ao tabu na conta.

Naquela ocasião, o Cruzeiro ficou doze jogos sem ser derrotado pelo Atlético-MG somando dez vitórias e 2 empates, ou seja, vencendo, portanto, 83,33% dos jogos disputados no período e tendo alcançado vantagem nos retrospectos dos anos 2007, 2008 e 2009, conforme se nota a seguir.

2009

Motivo Placar
Torneio de Verão – Uruguai Cruzeiro 4 X 2 Atlético-MG
Primeira fase do Campeonato Mineiro Cruzeiro 2 X 1 Atlético-MG
Final do Campeonato Mineiro Cruzeiro 5 X 0 Atlético-MG
Final do Campeonato Mineiro Atlético-MG 1 X 1 Cruzeiro
1° turno do Campeonato Brasileiro Cruzeiro 0 X 3 Atlético-MG (fim do tabu)
2° turno do Campeonato Brasileiro Atlético-MG 0 X 1 Cruzeiro

 

Retrospecto: 4 vitórias do Cruzeiro, 1 empate e 1 vitória do Atlético-MG. 13 gols do Cruzeiro e 7 gols do Atlético-MG. Vantagem: Cruzeiro.

2008

Motivo Placar
Primeira fase do Campeonato Mineiro Atlético-MG 0 X 0 Cruzeiro
Final do Campeonato Mineiro Atlético-MG 0 X 5 Cruzeiro
Final do Campeonato Mineiro Cruzeiro 1 X 0 Atlético-MG
1° turno do Campeonato Brasileiro Atlético-MG 0 X 2 Cruzeiro
2° turno do Campeonato Brasileiro Cruzeiro 2 X 1 Atlético-MG

 

Retrospecto: 4 vitórias do Cruzeiro, 1 empate e 0 vitórias do Atlético-MG. 10 gols do Cruzeiro e 1 gol do Atlético-MG. Vantagem: Cruzeiro.

2007

Motivo Placar
Primeira fase do Campeonato Mineiro Cruzeiro 1 X 3 Atlético-MG
Final do Campeonato Mineiro Atlético-MG 4 X 0 Cruzeiro
Final do Campeonato Mineiro Cruzeiro 2 X 0 Atlético-MG
1° turno do Campeonato Brasileiro Cruzeiro 4 X 2 Atlético-MG
2° turno do Campeonato Brasileiro Atlético-MG 3 X 4 Cruzeiro

 

Retrospecto: 3 vitórias do Cruzeiro, 0 empates e 2 vitórias do Atlético-MG. 11 gols do Cruzeiro e 12 do Atlético-MG. Vantagem: Cruzeiro

Somados os resultados destes três anos, a vantagem cruzeirense é inquestionável. Foram 11 vitórias, 2 empates e 3 derrotas, o que significa que neste triênio a Raposa venceu 73,3% dos clássicos. Média bastante acima do que o CAM verificou no recente tabu que se vangloriava.

“Mas colocaram o torneio de Verão.” Colocamos. Mas também mantivemos a derrota dos nossos reservas. Não houve ressalvas. Se fizéssemos as maquiagens estatísticas que os atleticanos gostam (“não fosse aquele jogo e a gente era campeão e etc”) e excluíssemos a derrota dos reservas, a sequência cruzeirense seria ainda maior: Duraria de 29/04/2007 (Atlético-MG 4X0 Cruzeiro) até 24/10/2010 (Cruzeiro 3 X 4 Atlético-MG), acrescentando ao tabu as vitórias por 1X0 do 2° turno do Brasileiro 2009, 3X1 na primeira fase do Mineiro em 2010 e 1X0 no 1° turno do Brasileirão. Um total de 3 anos, 5 meses e 25 dias em que o Cruzeiro teve 14 vitórias, 2 empates e 3 derrotas (as que abrem e fecham o tabu, mais a derrota dos reservas em 2009). Apagando o torneio de Verão, 13 vitórias. Marca avassaladora e com quase o triplo de vitórias celestes do que o recorde de invencibilidade do clássico, registrado entre 1985 e 1987 pelo Atlético-MG com treze jogos de invencibilidade, mas apenas cinco vitórias e oito empates.

Fato é que para dizer que o Cruzeiro treme, o atleticano tem apenas duas opções: Ou colocar a matéria no curtíssimo prazo, uma vez que o Cruzeiro tem a vantagem nos últimos dez anos e também desde a inauguração do Mineirão em 1965, ou no longuíssimo prazo, acrescentando o período de futebol amador no qual os registros eram precários, os clubes divergem sobre os resultados e jogos disputados e encontram-se boa parte das maiores vitórias do rival, como o questionável 9X2.

Últimos dez anos

Motivo Placar Ano
Primeira fase do Campeonato Mineiro Cruzeiro 1 X 1 Atlético-MG 2015
Semifinal do Campeonato Mineiro Atlético-MG 1X 1 Cruzeiro 2015
Semifinal do Campeonato Mineiro Cruzeiro 1 X 2 Atlético-MG 2015
1° turno do Campeonato Brasileiro Atlético-MG 1X 3 Cruzeiro 2015
Primeira fase do Campeonato Mineiro Atlético-MG 0 X 0 Cruzeiro 2014
Final do Campeonato Mineiro Atlético-MG 0 X 0 Cruzeiro 2014
Final do Campeonato Mineiro Cruzeiro 0 X 0 Atlético-MG 2014
1° turno do Campeonato Brasileiro Atlético-MG 2 X 1 Cruzeiro 2014
2° turno do Campeonato Brasileiro Cruzeiro 2 X 3 Atlético-MG 2014
Final da Copa do Brasil Atlético-MG 2 X 0 Cruzeiro 2014
Final da Copa do Brasil Cruzeiro 0 X 1 Atlético-MG 2014
Primeira fase do Campeonato Mineiro Cruzeiro 2 X 1 Atlético-MG 2013
Final do Campeonato Mineiro Atlético-MG 3 X 0 Cruzeiro 2013
Final do Campeonato Mineiro Cruzeiro 2 X 1 Atlético-MG 2013
1° turno do Campeonato Brasileiro Cruzeiro 4 X 1 Atlético-MG 2013
2° turno do Campeonato Brasileiro Atlético-MG 1 X 0 Cruzeiro 2013
Primeira fase do Campeonato Mineiro Atlético-MG 2 X 2 Cruzeiro 2012
1° turno do Campeonato Brasileiro Cruzeiro 2 X 2 Atlético-MG 2012
2° turno do Campeonato Brasileiro Atlético-MG 3 X 2 Cruzeiro 2012
Primeira fase do Campeonato Mineiro Cruzeiro 3 X 4 Atlético-MG 2011
Final do Campeonato Mineiro Atlético-MG 2 X 1 Cruzeiro 2011
Final do Campeonato Mineiro Cruzeiro 2 X 0 Atlético-MG 2011
1° turno do Campeonato Brasileiro Atlético-MG 2 X 3 Cruzeiro 2011
2° turno do Campeonato Brasileiro Cruzeiro 6 X 1 Atlético-MG 2011
Primeira fase do Campeonato Mineiro Cruzeiro 3 X 1 Atlético-MG 2010
1° turno do Campeonato Brasileiro Atlético-MG 0 X 1 Cruzeiro 2010
2° turno do Campeonato Brasileiro Cruzeiro 3 X 4 Atlético-MG 2010
Torneio de Verão – Uruguai Cruzeiro 4 X 2 Atlético-MG 2009
Primeira fase do Campeonato Mineiro Cruzeiro 2 X 1 Atlético-MG 2009
Final do Campeonato Mineiro Cruzeiro 5 X 0 Atlético-MG 2009
Final do Campeonato Mineiro Atlético-MG 1 X 1 Cruzeiro 2009
1° turno do Campeonato Brasileiro Cruzeiro 0 X 3 Atlético-MG 2009
2° turno do Campeonato Brasileiro Atlético-MG 0 X 1 Cruzeiro 2009
Primeira fase do Campeonato Mineiro Atlético-MG 0 X 0 Cruzeiro 2008
Final do Campeonato Mineiro Atlético-MG 0 X 5 Cruzeiro 2008
Final do Campeonato Mineiro Cruzeiro 1 X 0 Atlético-MG 2008
1° turno do Campeonato Brasileiro Atlético-MG 0 X 2 Cruzeiro 2008
2° turno do Campeonato Brasileiro Cruzeiro 2 X 1 Atlético-MG 2008
Primeira fase do Campeonato Mineiro Cruzeiro 1 X 3 Atlético-MG 2007
Final do Campeonato Mineiro Atlético-MG 4 X 0 Cruzeiro 2007
Final do Campeonato Mineiro Cruzeiro 2 X 0 Atlético-MG 2007
1° turno do Campeonato Brasileiro Cruzeiro 4 X 2 Atlético-MG 2007
2° turno do Campeonato Brasileiro Atlético-MG 3 X 4 Cruzeiro 2007
Primeira fase do Campeonato Mineiro Atlético-MG 1 X 1 Cruzeiro 2006
Final do Campeonato Mineiro Atlético-MG 2 X 2 Cruzeiro 2006
Final do Campeonato Mineiro Cruzeiro 2 X 0 Atlético-MG 2006

 

Retrospecto: 21 vitórias do Cruzeiro, 11 empates e 14 vitórias do Atlético-MG. 83 gols marcados pelo Cruzeiro e 63 pelo Atlético-MG. Fonte: Classicomineiro.com.br

Pegando como referência a data de fundação do Mineirão, considerado marco de uma nova era no futebol mineiro e de padronização das estatísticas, a Raposa também leva vantagem. Nos últimos 50 anos, foram 256 partidas com 90 vitórias celestes, 81 empates e 85 vitórias do Atlético-MG. A Raposa marcou 310 gols e sofreu 292. Fonte: Classicomineiro.com.br

Nota-se, portanto, que para considerar o Cruzeiro freguês, o atleticano precisa se apoiar em um retrospecto recente de curtíssimo prazo ou então a longevidade estatística de antes da inauguração do Mineirão.

Sendo mais jovem, o Cruzeiro fica em desvantagem nos primeiros anos do clássico, mas assume a dianteira das estatísticas com a criação do Mineirão e também quando se coloca os últimos dez anos, ou seja, o retrospecto recente em pauta. Os números, portanto, estão ao lado da Raposa na hora de mostrar que o crescimento do clube celeste serviu para que Minas Gerais tivesse novo dono e, no confronto direto, também mostrar quem é que treme.

Por: João Henrique Castro